26°
Máx
19°
Min

Exclusivo: Família de Ana Julia fala sobre a morte da menina

Oito segundos de cantoria que revelam uma menina feliz, de bem com a vida e muito inteligente. Essa era a Ana Julia, mas tinha algo a mais por trás desse sorriso, vontade de viver e nisso ela foi teimosa.

“Foram oito paradas que ela sofreu desde o momento do acidente até a morte”, conta o pai.

A dor está estampada no olhar distante da Juliana, seguir em frente se tornou muito difícil para família, tudo ao redor lembra a menina. O salão de cabeleireiro do pai está fechado desde aquele dia, ela pegava o telefone e brincava de anotar horários dos clientes, os desenhos ficaram sobre a mesinha, a bicicleta que ela nunca chegou a pedalar está lá encostada num depósito.

Mais difícil do que encarar lembranças boas é lidar com as ruins a família foi separada na noite do dia 1º de maio, em um grave acidente na BR-277, todos estavam em um veículo Uno que foi atingido na traseira por um Astra.

Ana Julia foi arremessada contra o para-brisa e encaminhada às pressas para o hospital, mas não resistiu. Juliana que é auxiliar de enfermagem ficou desesperada.

Dos ocupantes do Astra dois fugiram do local sem prestar socorro, uma mulher foi atendida pela concessionária que administra a rodovia. Mais tarde ao longo da semana ela e o marido se apresentaram na presença de um advogado na delegacia, o casal foi identificado como Jéssica Oliveira e Fábio Paeetzold, eles negaram que estivessem dirigindo o carro.

O problema é que dias depois Fábio compareceu novamente até a delegacia e desmentiu a história, disse que ela era o condutor e que fugiu por medo de represálias dos populares e porque dirigia sem habilitação.

Ainda em depoimento o casal afirma que o carro usado pelas vítimas estava com as luzes apagadas, versão contestada pela família da pequena Ana Júlia. Agora é esperar pela justiça, mas nas palavras fortes de Thiago ele mostra que tem poucas esperanças.

“Se você quiser matar alguém é só pegar um carro e atropelar você não vai ser preso”, afirma, ao saber que o condutor do Astra está solto.

Colaboração: Vinícius Machado e Hugo Cerutti / Rede Massa