22°
Máx
14°
Min

Exército vai às ruas em mais um dia de combate ao Aedes aegypti

Exército vai às ruas em mais um dia de combate ao Aedes aegypti

Embora o calor tenha dado uma trégua e o frio tenha sido mais frequente nas últimas semanas, a preocupação com o mosquito transmissor da dengue ainda é grande em Ponta Grossa. O Aedes aegypti e suas larvas são resistentes e, por isso, as autoridades do município continuam preocupadas.

Priscila Santos, responsável pelo setor de imunização da Prefeitura de Ponta Grossa, explica que o mosquito apenas “adormece”, mas volta a ficar ativo quando a temperatura sobe. “Quando [a temperatura] atinge 17 graus, em média, as larvas voltam a ficar ativas. O que nos preocupa é que nem a geada mata, por isso a atenção é constante”, completa.

A luta contra a dengue ganhou reforço de aproximadamente 500 militares do Exército Brasileiro na cidade. O objetivo da ‘operação de guerra’ é exterminar o mosquito por meio de uma cooperação com a Secretaria Municipal de Saúde. Eles seguem com os agentes de saúde pelas residências e verificam possíveis focos dentro de casa e nos quintais.

Nesta segunda-feira (20), por exemplo, os militares percorreram cinco bairros da cidade, incluindo as regiões de Uvaranas e do Jardim Carvalho – as duas com maior incidência do mosquito em Ponta Grossa.

O número de infectados na cidade chegou a 46. Deste, 24 são casos importados (quando o paciente adquire a doença fora da cidade, mas desenvolve os sintomas apenas quando retorna para casa) e outros 22 casos são autóctones (quando o paciente contrai a doença no município).

Colaboração Marrara Laurindo, da Rede Massa.