22°
Máx
17°
Min

‘Formação do Autismo’ reúne mais de 200 professores e educadores

(Foto: Divulgação) - ‘Formação do Autismo’ reúne mais de 200 professores e educadores
(Foto: Divulgação)

Com o objetivo de preparar educadores e professores da rede municipal de ensino de Guarapuava para receber, incluir e repassar o conhecimento aos alunos autistas, a Secretaria de Educação e Cultura, nesta segunda e terça-feira (18 e 19), a Formação do Autismo. Cerca de 200 pedagogos e professores de 45 escolas municipais da cidade participaram durante quatro horas de palestra e bate papo sobre o autismo. As pautas da formação iam desde o aumento da demanda de alunos autistas nas redes de ensino, até esclarecimentos de como ministrar da melhor forma as aulas em classes que acolheram estes alunos.

A coordenadora de educação especial municipal, Irene Izabel Kwaczynsky, esclareceu que esta formação é uma das ações que a Secretaria Municipal de Educação e Cultura já desenvolveu para tratar do assunto. “Nos dois anos anteriores realizamos palestra e trabalhamos com grupos de estudos que são atuantes, onde analisam e instigam educadores e professores a aplicar da melhor forma um conteúdo de qualidade através de técnicas especiais para os mais de 30 alunos autistas matriculados atualmente nas escolas municipais de Guarapuava”, explica Irene.

A doutora em pedagogia e palestrante da formação, Ana Barby, ressaltou a importância dos profissionais envolvidos com a educação, saber técnicas para desenvolver da melhor forma os conteúdos na sala de aula, em especial com os alunos autistas. “Antes tínhamos um número menor de crianças autistas. Hoje em dia a demanda cresceu, e em Guarapuava também, e por isso os educadores e professores acharam formas de se capacitar e atuar em sala de aula com mais habilidade. Dia a dia passamos por desafios, onde devemos mostrar nossas agilidades, tendo consciência de que caminhar juntos com os alunos, em especial os autistas, nos levam a conquistar juntamente com eles um futuro melhor”, enfatizou Barby.

Ainda segundo Irene Kwaczynsky, os resultados obtidos tantos com as palestras, quanto com o grupos de estudos voltados ao autismo, são positivos, surtindo efeitos não só em sala de aula, mas também no ambiente familiar. “Nós últimos anos passamos a contar com centro de atendimento junto a Escola São José. Neste centro, é desenvolvido com os alunos autistas um trabalho de acompanhamento com neuropediatras, psicólogas e psicopedagogas que auxiliam educadores e professores em sala de aula, surtindo efeitos relevantes para a educação dos alunos”, acrescentou Irene.

Para a professora Edna Regina Abramoski, a formação é necessária, pois auxilia na identificação dos alunos autistas. “Estar bem informada e instruída nos ajuda não só no reconhecimentos desses alunos, mas também na inclusão dos mesmos”, opina a professora da Escola Municipal Professora Elcidia de S. M. Pereira. No próximo mês será realizado, através da Secretaria de Educação e Cultura e coordenação de educação especial municipal, um encontro para os pais de alunos autistas, onde terão a oportunidade de trocar experiências referente ao autismo.

Colaboração Assessoria de Imprensa.