22°
Máx
14°
Min

Futuro da greve do transporte coletivo depende de audiência no TRT

Greve pode ser retomada nesta sexta-feira, a partir das 18h (Foto: Marcos Luvizeto) - Futuro da greve do transporte coletivo depende de audiência
Greve pode ser retomada nesta sexta-feira, a partir das 18h (Foto: Marcos Luvizeto)

A Prefeitura de Maringá indicou que não deve aceitar a proposta acordada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que motivou a paralisação temporária da greve dos trabalhadores do transporte coletivo. Uma reunião foi realizada no fim da manhã desta sexta-feira (4) com a participação de diversos segmentos da comunidade.

Em entrevista à Rede Massa, o prefeito de Maringá, Carlos Roberto Pupin (PP), defendeu que não é o momento para conceder o tíquete-alimentação aos trabalhadores do transporte coletivo. O município alega que teria de reajustar a tarifa para aprovar o benefício à categoria.

Na terça-feira (1º), os trabalhadores entraram em greve, que foi suspensa temporariamente após uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, em Curitiba. As empresas Transporte Coletivo Cidade Canção e Cidade Verde se comprometeram a pagar o vale-alimentação, caso a Prefeitura atualizasse a planilha de pagamento.

Com o indicativo da Prefeitura em negar o aumento às empresas, o benefício aos trabalhadores deve ficar inviável. A volta ou não da greve nesta sexta-feira, a partir das 18h, vai depender do resultado da nova audiência no TRT, marcada para 14h.