22°
Máx
14°
Min

Governo entrega licença para aumento da industrialização do xisto

(Foto: Foto: Joana Serra / IAP) - Governo entrega licença para aumento da industrialização do xisto
(Foto: Foto: Joana Serra / IAP)

O Chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, e o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto, entregaram a licença ambiental de operação para a ampliação da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX) da Petrobrás, em São Mateus do Sul. A licença foi entregue durante uma apresentação, para a população, sobre o aproveitamento do xisto agrícola.

A entrega da licença ambiental faz parte de uma série de ações que vem sendo tomadas pelo governo estadual para garantir o funcionamento da unidade no Estado. Com a atual situação financeira da Petrobrás, a companhia estuda o fechamento de algumas unidades no país, e a usina de São Matheus do Sul estaria entre elas.

Rossoni e Tarcísio destacaram que o governador Beto Richa trabalha com determinação em defesa da manutenção e ampliação das operações da unidade de xisto da Petrobras em São Mateus do Sul. “Esta licença é uma clara sinalização do interesse do Paraná em que a PetroSix siga operando e contribuindo com o desenvolvimento do nosso Estado”, afirmou o chefe da Casa Civil. “No que depender do nosso governo haverá todo empenho para que a usina siga extraindo combustíveis e insumos agrícolas a partir do xisto.”

Menor impacto

A licença é uma das etapas necessárias para a ampliação do aproveitamento de xisto na SIX, gerando a mesma quantidade de resíduos sólidos e o menor impacto ambiental possível. “O documento garante que a empresa possa produzir mais, aproveitando mais o minério, diminuindo o volume da geração de resíduos sem prejudicar o meio ambiente”, explicou o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto.

Com isso, passa a ser permitido o aumento de utilização de lastro oleoso de refinaria de 40 toneladas/dia para 360 toneladas/dia, aumentando a produção de óleo combustível de 608 toneladas/dia para 890 toneladas/dia.

Evolução

Segundo o gerente da unidade, Gerson Souza, as metas estabelecidas para produção até julho desse ano já foram alcançadas, o que mostra a evolução da unidade. “De nada adiantava toda a comunidade e o poder público fazerem o trabalho deles, se nós não fizéssemos o nosso, que é alcançar em julho deste ano 6.500 toneladas processadas para esse produto, e, em outubro, 8 mil toneladas processadas”, disse Souza. “A boa notícia é que já em abril obtivemos 7.233 toneladas processadas. E nos três primeiros dias de maio batemos duas vezes o recorde de produção”, afirmou ele.

Xisto agrícola

Durante a reunião, a PetroSix apresentou os avanços nas pesquisas e investimentos feitos para aproveitar o minério de xisto também na produção de fertilizantes. O trabalho da empresa é para desenvolver e conseguir aprovação junto ao IAP e ao Ministério da Agricultura quatro produtos que poderão servir como matéria prima para os fertilizantes agrícolas - a água de xisto, calcário de xisto, finos de xisto e xisto retortado.

Desses quatro produtos, dois já possuem aprovação do órgão ambiental e da agricultura, um está sob avaliação do IAP e outro será apresentado até o ano que vem para avaliação. 

Com os quatro componentes aprovados, a empresa estima que será possível produzir 10% dos fertilizantes que são importados atualmente, gerando mais renda e emprego para a região.

Valdir Rossoni disse que ficou animado com a apresentação do projeto Xisto Agrícola, criado para transformar subprodutos do xisto em insumos agrícolas. "Esse conhecimento vai nos oferecer conteúdo para fazer a defesa desta causa, que não é só de São Mateus, mas do Paraná".

Para Rossoni, é importante promover um amplo debate no Estado sobre o projeto. “Temos um potencial enorme para retirar e transformar isso aqui em riquezas. Quando falo em riquezas são geração de empregos e progresso para o nosso Estado”.

O presidente do IAP se comprometeu a analisar com cuidado os pedidos de aprovação dos produtos. “Precisamos avaliar com cuidado os produtos, mas acredito que não havendo maiores transtornos e dúvidas, poderemos aprová-los em tempo de contribuir ainda mais com o desenvolvimento econômico e sustentável de toda região”, disse.

Colaboração Agência Estadual de Notícias.