24°
Máx
17°
Min

Homem confessa ter matado inquilino em discussão

(Foto: Antônio de Picolli/Tanosite) - Homem confessa ter matado inquilino em discussão
(Foto: Antônio de Picolli/Tanosite)

O delegado Tristão Antônio Borborema de Carvalho concluiu o inquérito que investigava a morte de Wagner Carlos Ribeiro e a tentativa de homicídio contra o irmão dele, Tiago Fernando Ribeiro, registradas na noite de quarta-feira (23) em um sítio às margens da BR-153, em Santo Antonio da Platina.

Ederlei Pinheiro Marcelino, de 38 anos, confessou o crime, mas antes tentou ludibriar a autoridade policial. Um jovem de 27 anos, funcionário do sítio de propriedade de Marcelino, se apresentou como autor do crime, mas apresentou diversas informações contraditórias em depoimento.

Em meio às diligências, investigadores descobriram que Ederlei e o pai haviam acabado de vender o sítio por valor bem abaixo do mercado. Parte do dinheiro seria repassado ao funcionário para que ele confessasse o homicídio.

Ao ser preso, Marcelino confessou o crime. “Ele (Tiago) discutiu e agrediu meu pai com um soco no rosto. Peguei o facão e corri para cima dele. Acertei um golpe na barriga e outro no ombro, mas ele conseguiu correr sentido à rodovia. Em seguida, o Wagner veio na minha direção e me chutou. Então comecei a golpeá-lo várias vezes sem parar e ele não me soltava. Até que pouco depois caiu morto no chão e fugimos do local”, disse.

No depoimento, ele ainda tentou livrar o pai, dizendo que não havia participado do crime. No entanto, Gentil Marcelino confessou ao delegado que segurou Tiago para que o filho pudesse golpeá-lo com um facão.

Ederlei Pinheiro Marcelino foi indiciado por homicídio qualificado por motivo fútil e meio cruel, sem chance de defesa à vítima. A pena pode variar de 12 a 30 anos de prisão. Já Gentil Marcelino pode responder por tentativa de homicídio.

Cristiano Aparecido Faria, o primeiro a assumir o crime, vai responder por autoacusação falsa. O delegado vai pedir prisão preventiva para que os acusados fiquem detidos até o caso ser julgado.

(com informações de Luiz Guilherme Bannwart, do Tanosite)