21°
Máx
17°
Min

Idosos espancados por bandidos relatam momentos de terror

As imagens dos idosos cobertos de sangue impressionam. A casa dos quatro irmãos, na Colônia Maciel, zona rural de Palmeira (45 quilômetros de Ponta Grossa), foi invadida por bandidos violentos entre a noite de segunda-feira (25) e a madrugada de terça-feira (26). Eles reviraram a casa e levaram vários objetos da família.

Ainda muito machucados, Tereza e Pedro Puchalski, de 68 e 79 anos, saíram do hospital durante a tarde de terça e foram direto para a delegacia. Eles mesmos dizem que o trauma sofrido dificilmente será esquecido. “Violentos demais, nunca vi na minha vida umas pessoas tão violentas. Eles se jogavam com os dois pés no peito da gente, eles jogavam a gente longe contra a parede”, relembra Tereza.

“Quando eles chegaram, eu estava dormindo e quando vi já estava aquele tumulto de gente e eu não podia fazer mais nada”, conta Pedro, que demorou para entender o que estava acontecendo. “Eles queriam matar, não falavam que queriam dinheiro, porque se tivessem falado a gente tinha entregado e pronto. Ficamos sentados os três na cama e eles foram revirando tudo”, completa.

A quadrilha que atacou pelo menos cinco residências na Colônia Maciel em um curto intervalo de tempo. No total, sete pessoas foram agredidas pelos bandidos e quatro foram hospitalizadas. A polícia conseguiu prender dois suspeitos de participação no crime e outros três foram mortos em confronto com a polícia.

O grupo é suspeito de ter participado de outros crimes na região, conforme destaca Alexandre de Matos, comandante da PM no município. “Há cerca de um mês eles vinham agindo na área rural aqui da cidade, em postos de gasolina e outras residências, inclusive foram reconhecidos pelas vítimas”, destaca o policial.

As investigações ainda apontam que o bando era de Mandirituba, na região metropolitana de Curitiba, e tinha como ação comum o assalto a propriedades rurais. De acordo com o delegado Plínio Gomes Filho, responsável pela investigação, o envolvimento deles em um roubo ocorrido no último fim de semana já está praticamente certo. “Segundo informações de policiais de Fazenda Rio Grande, esse bando sempre agia em chácaras e fazendas e sempre com violência, agredindo as vítimas, ameaçando, o mesmo modus operandi usado lá também adotaram aqui. Agora, vamos descobrir como eles chegaram aqui, creio que não foi aleatoriamente”, confirma.

Foragido

Ainda de acordo com o delegado, existe um sexto membro do grupo que continua foragido. João Marcos de Mello é suspeito de integrar o grupo e já responde por homicídios e furto na região da capital. Outros dois suspeitos, Jean Alexandre Ivainski, de 23 anos, e Geovane Lira Albuquerque Cruz da Silva, de 21 anos, foram presos durante troca de tiros com os policiais.

Morreram no confronto com a PM os suspeitos César Gonçalves dos Santos, Lucas Davi de Lima dos Santos e Weslley Pugslei. De acordo com o delegado, eles já respondiam pelo crime de roubo.

Colaboração Maira Zimermann, da Rede Massa.