24°
Máx
17°
Min

Imbaú deve implantar programa de prevenção de drogas

(Foto: Divulgação / AMCG) - Imbaú deve implantar programa de prevenção de drogas
(Foto: Divulgação / AMCG)

O município de Imbaú deve contar em breve com o programa ‘Amor Exigente’, que atua na prevenção das drogas e apoio às famílias de dependentes químicos. Na tarde de quarta-feira, o secretário de políticas antidrogas de Piraí do Sul, Maricelso Ribeiro, e a coordenadora do Amor Exigente do município, Sônia Anhaia, participaram de evento em Imbaú para contar sobre o funcionamento do programa e como implantá-lo. A ação foi coordenada pela Secretaria de Assistência Social, em conjunto com o Comitê de Valorização da Mulher de Imbaú, que também deve integrar o novo programa.

O evento serviu ainda para apresentar a comunidade de Imbaú a recém-formada Rede de Proteção à Criança e Adolescente, coordenada pela assistente social Adriane Rodrigues e pelo psicólogo Fernando Adriano de Lara. “A ideia é que a Rede de Proteção e o Amor Exigente atuem lado a lado”, destaca Adriane, ressaltando que a Rede irá abordar todos os tipos de violência e não somente o uso de drogas. “Mas o uso de drogas é que é o causador de muitos tipos de violência”, esclarece a coordenadora do Cras de Imbaú, Juliana Martins.

Com ampla experiência na prevenção de drogas e também na Rede de Proteção, Ribeiro destacou o que uma Rede deve fazer para servir para a comunidade. “Para a sociedade, a Rede de Proteção é aonde serão resolvidos seus problemas”, disse. Por isso é que ela deve integrar várias entidades, no caso das drogas, desde o seu tratamento até a recuperação, tanto dos adictos (termo usado para viciados: do latim significa escravidão) até seus familiares.

O secretário de Piraí abordou alguns números levantados em pesquisas referentes às drogas. Ele deu como exemplo o vício no álcool. Conforme Ribeiro 10% das pessoas já nascem adictas. “Mas este vício demora a aparecer devido à tolerância. Quando ela tem fim é que a doença aparece”, explica, ressaltando que o que estas pessoas têm é uma doença, e que é assim que devem ser tratadas.

Ribeiro enumerou ainda que 50% da população brasileira é abstêmica. Dos 50% restantes, 36% bebem socialmente e os demais 14% já saíram da zona de tolerância da bebida alcoólica. “Portanto já estão dando problemas para suas famílias e comunidades em que vivem. Quando não estão presos”, fala, lembrando que é comum acontecerem os delitos quando as pessoas estão sob o efeito do álcool.

Por causa disso, é que o município de Piraí do Sul implantou outro programa, o “Justiça Terapêutica”. “Este é um debate que vêm ocorrendo desde 2013 em conjunto com a polícia, juízes e Ministério Público. Quando acontece algum delito temos que saber se a pessoa que o cometeu é doente ou é bandida”, explica, lembrando que não adianta prender um drogado. “Ele deve ser tratado”, avalia.

Funcionamento do “Amor Exigente”

Para contar sobre a experiência do “Amor Exigente” em Piraí do Sul, a voluntária e coordenadora do programa, Sônia Anhaia, participou do evento em Imbaú. Conforme Sônia, o município de Piraí já ajudou outros a implantar a ação de prevenção das drogas. “Auxiliamos Carambeí e Jaguariaíva. E hoje já contam com voluntários e com o programa em funcionamento”, destaca.

Conforme a voluntária, o Amor Exigente não é somente um programa de prevenção das drogas, mas de autoajuda e ajuda mútua que norteia e melhora a educação das crianças. “Além disso, ao participar ele também melhora em nossa qualidade de vida”, garante.

A coordenadora contou sobre os 12 princípios que norteiam o programa. Cada um deles é trabalhado pelo grupo de voluntários em um mês do ano. Os seis primeiros, conforme Sonia, servem para mudar o pensamento das pessoas e são trabalhados durante os seis primeiros meses do ano. Já os últimos seis tratam das ações que os familiares devem tomar em relação aos seus filhos.

“Primeiro falamos sobre as raízes culturais, nossos valores. Aqueles que passamos para nossos filhos. Também a questão da humanização dos pais, dos recursos que são limitados, da posição de pais e filhos, do sentimento de culpa dos familiares em relação aos filhos adictos e do comportamento influenciador que exercemos”, enumera Sônia.

Depois dos princípios da preparação começam os princípios de ação. “Na sequência conversamos sobre as atitudes, o que podemos tirar de positivo nos momentos de crise, do grupo de apoio, da cooperação familiar, da disciplina e por último vêm o princípio compensador: o amor”, destaca.

Para Sônia é muito importante os municípios contarem com programas como o Amor Exigente. “Muitas vezes não conseguimos mudar o próximo, mas conseguimos mudar a nós mesmos. As nossas atitudes”, finaliza.

Colaboração Assessoria de Imprensa.