22°
Máx
14°
Min

Infestação de larvas do Aedes cai 50% em Francisco Beltrão

(Foto: Divulgação) - Infestação de larvas do Aedes cai 50% em Francisco Beltrão
(Foto: Divulgação)

Novo levantamento do Setor de Combate a Endemias da Prefeitura de Francisco Beltrão constatou a queda de 50% no índice de infestação do mosquito Aedes aegypti na cidade nos últimos três meses. No Levantamento de Índice Rápido por Amostragem (Lira) realizado em janeiro, 3,6 em cada 100 residências possuíam focos de larvas do mosquito, número que caiu para 1,6 na última semana de abril.

Apesar da queda, o índice ainda está acima do preconizado pelo Ministério da Saúde – de 1% - e é considerado de médio risco. “Concentramos esforços de forma geral e localizada nos últimos meses para manter uma situação estável em Francisco Beltrão, apesar da epidemia em vários outros municípios, mas daqui em diante a tendência é de queda nos casos em função da chegada do frio mais intenso, algo que não acontecia há dois anos”, explica a coordenadora do Setor de Combate a Endemias, Bruna Freitas.

Desde o início do ano, as equipes de combate a endemias foram reforçadas e as visitas e vistorias em terrenos e casas intensificadas, além de mutirões de recolhimento de entulhos. Sempre que há um caso suspeito de dengue, zika ou chikungunya, a Secretaria de Saúde realiza o chamado bloqueio, com visita às residências próximas e aplicação de fumacê.

Segundo Bruna, a ideia agora é manter o ritmo reforçado de controle do Aedes para amenizar a proliferação do mosquito durante a primavera e o verão. “Mesmo com temperaturas mais baixas, o poder público e as pessoas precisam continuar com os cuidados, pois o mosquito é muito resistente e seus ovos e larvas também. Todo criadouro deve ser eliminado nesta época para que nos meses mais quentes os ovos não eclodam e a infestação siga controlada”, afirma.

Boletim da Secretaria de Estado da Saúde desta semana confirma 15 casos importados e 90 autóctones de dengue em Beltrão, que também tem três casos importados de chikungunya e nenhum de zika. A situação das doenças no município é de controle comparando com outras cidades da região que passam por uma epidemia.

Colaboração Assessoria de Imprensa.