21°
Máx
17°
Min

Jornalista denuncia assédio em ponto de ônibus de Maringá e relata o medo

(Foto: Google Street View) - Jornalista denuncia assédio em ponto de ônibus e relata o medo
(Foto: Google Street View)

Uma jornalista passou por momentos de medo na tarde desta quarta-feira (29) enquanto aguardava por um ônibus. Um homem sentou-se  perto dela e se masturbou. Chocada com a cena, ela não conseguiu reagir diante do medo e decidiu escrever um relato em sua página na internet para mostrar a outras mulheres vítimas de assédio que não estão sozinhas.

Amanda Machado contou que tinha almoçado com o namorado e parou para aguardar o transporte coletivo perto do Hospital Santa Rita. Distraída, ela olhava o celular quando um homem chegou e fez perguntas sobre o horário do ônibus.

O senhor de aproximadamente 50 anos se aproximou e ficou em frente à jovem, novamente puxando assunto, momento em que ela notou que ele havia cuspido na mão e a usava para se excitar, com o órgão sexual à mostra.

Assustada, a primeira reação da jornalista foi tentar encontrar uma mulher próxima para pedir ajuda, mas não encontrou. Para fugir do homem, ela foi para o outro lado do ponto de ônibus e o tarado foi embora.

O medo que paralisa

Em seu relato no Facebook, ela destaca a impotência diante dessas situações. “A raiva, o medo e o pavor tomaram conta de mim e eu, que sempre falei que faria um escândalo, não consegui. Aliás, minhas pernas estão tremendo até agora. Poderia ter gritado, corrido, mas permaneci no canto, tremendo de medo. Agora eu fico repassando a cena (nojenta) na minha cabeça e pensando que poderia ser diferente. Deixo aqui registrada minha indignação, perplexidade e revolta”, publicou.

Amanda Machado destacou a necessidade de se realmente “fazer um escândalo” para inibir homens como o que se masturbou e impedir novas vítimas de assédio. Segundo ela, as pessoas que estavam próximas ou não viram ou não tiveram coragem de se manifestar.

“Muitas mulheres sofrem diariamente no trabalho, na rua, pelas cantadas, assovios, passadas de mão na balada, sofrem vendo essas cenas caladas, com vergonha e medo”, destacou, ressaltando que não quer passar por isso novamente.

O que deixa a jornalista inconformada é que o homem possivelmente fará isso com outras mulheres, colocando mais vítimas em situação de medo e constrangimento, por isso, o pedido “vamos fazer um escândalo”. O pedido rendeu repercussão nas redes sociais, com muitas comentários e mensagens de apoio.