22°
Máx
14°
Min

Jovem abusada desde os 11 anos, morre em decorrência de agressões

(Foto: Ilustração) - Jovem abusada desde os 11 anos, morre em decorrência de agressões
(Foto: Ilustração)

Ela era só uma menina, que foi estuprada, agredida repetidamente, várias e várias vezes durante pelo menos quatro anos, até que na última quarta-feira (25), um edema cerebral provocado por lesões repetidas acabou com o seu sofrimento, mas acabou também com sua vida. O caso pode parecer história de filme, mas aconteceu em Paranaguá, onde a vítima de apenas 15 anos, morreu. O homem que foi preso e é apontado como autor do crime, era ‘marido’ da jovem.

A delegada responsável pelo Núcleo de Proteção à Criança e Adolescentes Vítimas de Crimes (Nucria), de Paranaguá, Maria Nyza Moreira Nanni, conversou com a reportagem do Portal Massa News e relatou como tudo aconteceu. Conforme a delegada, a vítima teria sido agredida entre os dias 20 e 21 de maio, e como começou a passar mal, deu entrada na emergência de um hospital da cidade. A princípio, os médicos trataram o caso como suspeita de meningite, pelo quadro clinico apresentado. A menina foi medicada e chegou a ser liberada, mas, diante dos problemas de saúde que só pioravam, ela voltou ao hospital. “Ela apresentava convulsões, e então os médicos realizaram outros exames e constataram que ela estava com um edema cerebral grave”, contou. “Eles então nos acionaram, e passamos a acompanhar o caso. Pelo que os médicos nos explicaram, ficou evidente que as lesões que ela tinha somente poderiam ter sido provocadas por agressão”, completa.

A polícia também resgatou o histórico da vítima e do acusado, e descobriu que a jovem era vítima do homem desde que tinha 11 anos. “Ela convivia com esse rapaz desde os 11 anos. Aos 12 anos ela ficou grávida dele. Na época foi feito um boletim de ocorrência por estupro de vulnerável e todas as medidas possíveis foram tomadas”, disse.

Ainda segundo Maria Nyza, a polícia não tinha conhecimento, mas a menor continuou convivendo com o rapaz, até que morreu. “Ela teve o bebê, a criança tem pouco mais de dois anos e está com a avó paterna", diz. “Quando a morte dela foi constatada, nós detivemos o acusado”, acrescenta.

A delegada explicou que se trata de um caso bastante complexo, que envolve dois tipos de crime, um deles a lesão corporal grave que resultou na morte da garota e o outro, o estupro continuado. O homem segue preso.