28°
Máx
17°
Min

Levantamento do MP-PR mostra que 156 pessoas morreram em confronto com a polícia em 2016

(Foto: Arquivo/AEN) - Mais de 150 pessoas morreram em confronto com a polícia em 2016
(Foto: Arquivo/AEN)

O Ministério Público do Paraná divulgou nesta quarta-feira (3) que 156 pessoas foram mortas em confrontos com policiais desde janeiro de 2016. O número é 38% maior em relação ao segundo semestre de 2015, quando ocorreram 113 mortes em confrontos. Por outro lado, 11 policiais militares foram mortos por civis em 2016.

O levantamento do MP foi realizado com base em boletins de ocorrências encaminhas pelas policias Militar, Civil e Rodoviária e pelas guardas municipais ao Grupo de Atuação Especial de Combate do Crime Organizado, o Gaeco.

O controle está sendo realizado pelo MP há um e meio. Apenas no ano passado, foram 134 casos de pessoas mortas em confrontos com policiais no primeiro semestre e 113 no segundo, totalizando 247 óbitos.

De acordo com o Ministério Público, o objetivo é permitir o acompanhamento dos casos, assegurando a correta apuração das mortes. A grande maioria dos casos (131 no primeiro semestre de 2015; 109 no segundo semestre de 2015; e 149 nos primeiros seis meses deste ano) envolve confrontos com policiais militares.

Estratégia nacional

O controle estatístico das mortes em confrontos policiais pelo Gaeco faz parte de uma estratégia do MP-PR com o objetivo de contribuir para diminuir as em abordagens e confrontos policiais. As iniciativas do Ministério Público já foram discutidas com representantes da Secretaria de Estado da Segurança Pública, da Polícia Civil, da Polícia Militar e da Polícia Técnica.

O Ministério Público do Paraná ainda aderiu ao programa nacional “O MP no enfrentamento à morte decorrente de intervenção policial”, instituído pelo Conselho Nacional do Ministério Público. Segundo o MP, o objetivo da iniciativa é assegurar a correta apuração das mortes de civis em confrontos com policiais e guardas municipais.

O procurador de Justiça Leonir Batisti, coordenador estadual do Gaeco, afirmou que as polícias foram orientadas a comunicar o MP-PR sempre que houver mortes de civis em confrontos policiais. A intenção é que a comunicação ocorra em até 24 horas após o fato, de modo a viabilizar o efetivo acompanhamento das ocorrências pelo Ministério Público.

Colaboração: Assessoria de Imprensa do Ministério Público