28°
Máx
17°
Min

Londrina tem primeira morte confirmada por H1N1 e outra suspeita

(foto: N.Com/Divulgação) - Londrina tem primeira morte confirmada por H1N1 e outra suspeita
(foto: N.Com/Divulgação)

A Secretaria de Saúde confirmou a primeira morte em decorrência do vírus H1N1 em Londrina. Trata-se de uma mulher de 59 anos, moradora da zona norte da cidade, que morreu em 29 de abril. 


 Segundo a gerente da Vigilância Epidemiológica da secretaria, Rosângela Libanori, a mulher sofria de problemas cardíacos, hipertensão, e começou a ter os sintomas em 6 de abril. Dois dias depois, ela foi internada no Hospital da Zona Norte.

 O quadro de deficiência respiratória se agravou e em 10 de abril houve transferência para o Hospital Universitário, onde ela morreu 19 dias depois.

“O caso era tratado como pneumonia, e durante a internação ela teve várias infecções, insuficiência renal e um AVC hemorrágico. Ficamos aguardando o prontuário e o exame para saber se ela tinha se curado da gripe neste período e o AVC fosse a consequência da morte. Mas não. Ela estava o tempo todo com pneumonia e o vírus foi a causa do óbito”, explica Libanori.

 A gerente de vigilância epidemiológica afirma ainda que há outra morte com suspeita de contaminação do vírus H1N1, na qual o paciente não apresentou nenhum outro tipo de sintoma, mas a confirmação depende do exame do Laboratório Central do Estado (Lacen).

Para Libanori, a mudança do clima nas últimas semanas colaborou para a circulação do vírus. “A campanha de vacinação ainda não fez o efeito que deveria e a gente sabe que o vírus está circulando, o clima favorece. A vigilância da influenza é do ano todo, mas neste período acaba intensificando a sazonalidade”.

Recomendações para prevenir o H1N1:


 Lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão;

 Evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies;

 Não compartilhar objetos de uso pessoal;

 Cobrir a boca e o nariz com o antebraço ou lenço descartável ao tossir ou espirrar;

 Manter os ambientes arejados, com portas e janelas abertas;

Em caso de sintomas, procurar médico para iniciar tratamento