27°
Máx
13°
Min

Mais um capítulo na história do ‘terrão do São Braz’

(Foto: Divulgação/Rede Massa) - Mais um capítulo na história do ‘terrão do São Braz’
(Foto: Divulgação/Rede Massa)

A noite de terça-feira (29) foi de mais um episódio de confusão na área que ficou conhecida como o “terrão do São Braz”. De acordo com informações da Sala de Imprensa da Polícia Militar, o primeiro chamado para atendimento no local foi registrado por volta de 19h30 e dava conta de que havia uma confusão generalizada e que vários barracos haviam sido incendiados.

O relato de uma moradora do bairro, que não faz parte da invasão, e que tem residência no local há mais de 30 anos, é de que “a situação foi bem tensa”. Ela contou que o problema foi gerado após a notícia de que o proprietário da área, teria conseguido na Justiça a ordem de reintegração de posse. “Foi feita uma reunião lá no local para avisar para eles que saiu a reintegração de posse e que eles teriam que sair de lá, mas tinham pessoas de fora, umas pessoas que ao que parece, vieram para tumultuar mesmo e colocar fogo nos barracos”, relatou. “E aí, começou a confusão toda”.

A moradora disse ainda que a polícia e os bombeiros estiveram no local. “A polícia veio, mas era noite nem tinha como eles entrarem ali”.

A polícia confirmou que esteve no endereço e que orientou os invasores até que a situação de acalmasse. Não há confirmação da polícia sobre a reintegração.

Terreno

A área invadida é, de acordo com a moradora do bairro, de propriedade de uma imobiliária e há anos gera problemas. “Há 30 anos esse lugar é abandonado desse jeito. Tem problema de sujeira, de dengue, e agora mais recente essa situação de violência mesmo, de risco de morte”, comenta. “Eu não passo por lá, já tiveram duas jovens estupradas lá e uma mulher foi morta. É feio o negócio ali”.

Ainda segundo a moradora, os moradores do bairro já pediram várias vezes para que o proprietário tomasse alguma providência que impedisse a volta dos invasores. “Ele não quer perder o terreno, mas também não faz nada para impedir que o lugar volte a ser invadido”.

A moradora também disse, que os invasores afirmam que mesmo com os barracos queimados e todo o problema da noite de ontem, não vão sair do terreno. “Eles não vão sair de lá se a polícia não fizer alguma coisa”.

Na última semana, a Polícia Militar fez uma varredura na área, revistando os barracos e os moradores. A polícia destacou que a ação fazia parte do policiamento preventivo no Bairro.