24°
Máx
17°
Min

Ministro Ricardo Barros visita unidades de saúde do Noroeste

Foto: Divulgação - Ministro Ricardo Barros visita unidades de saúde do Noroeste
Foto: Divulgação

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, visitou neste sábado (18), as instalações da Santa Casa Campo Mourão. A unidade atende a população de 25 municípios da macrorregião Noroeste do Paraná, estimada em 332 mil habitantes. Durante a visita, o ministro se reuniu com prefeitos e gestores de saúde onde reafirmou a universalidade do Sistema Único de Saúde (SUS) e as prioridades da atual gestão.

Ao falar das prioridades, o ministro ressaltou a importância de ampliar o Rede Cegonha no estado, que hoje, no Paraná, conta apenas com 30% de habilitação.

“Precisamos ampliar para 100%, como ocorre em outros estados”, disse.

A habilitação do programa, que garante a organização de uma rede de cuidados materno-infantil, é um dos pleitos da Santa Casa Campo Mourão ao Ministério da Saúde. O ministro destacou ainda algumas das prioridades desta gestão, como a informatização de todo o SUS.

“A medida vai permitir verificarmos de fato como é investido o dinheiro do sistema público na saúde dos brasileiros". 

Outra prioridade é " utilizar as melhores práticas, aquelas que produzem mais serviços para a população, com menos recursos, e ensinar a todos como fazer isso".

Ele disse que, para isso, não é preciso criar medidas, e sim, dar evidência às boas práticas que já vem sendo feitas, tanto pelos municípios quanto pelos prestadores de serviços e hospitais filantrópicos.

"Em todos eles, nas diferentes áreas, tem alguém fazendo um bom serviço para o SUS. Vamos ensinar aos demais a replicar isso", afirmou Ricardo Barros.

A Santa Casa é um hospital geral, sendo referência na região para tratamento de pacientes com Aids e câncer. Na unidade são oferecidos os serviços de obstetrícia de alto risco, ginecologia, pediatria, clínica médica e cirúrgica, laqueadura, terapia nutricional, além dos leitos de UTI adulto, pediátrica e neonatal, entre outros serviços pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Durante a visita, o ministro vai conhecer as instalações do Pronto Atendimento e das UTIs adulto e neonatal. A unidade conta com 10 leitos de UTI adulto e oito leitos de UTI Neonatal. Um dos destaques da Santa Casa é o atendimento às gestantes de alto risco em toda a macrorregião.

É oferecido atendimento diferenciado a mulheres com idade materna menor do que 17 anos ou maior do que 35 anos, com gestação ectópica, abortamento habitual e anormalidades uterinas.

Além disso, a unidade oferece tratamento a mulheres que foram expostas a agentes físico-químicos nocivos, às que têm altura materna menor do que 1,45 m, que tenham má aceitação da gestação, peso materno inadequado e dependência de drogas lícitas ou ilícitas.

Central Hospitalar

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, também visitou a Central Hospitalar de Campo Mourão. A unidade atende uma média de 2,6 mil pacientes ao mês em diversas especialidades, como ortopedia, neurologia, gastroenterologia, oftalmologia e cardiologia.

O pronto-socorro conta atualmente com 116 leitos, sendo 39 do SUS.

AÇÕES NO PARANÁ

Na atenção básica, os repasses do Ministério da Saúde para o conjunto dos municípios do Paraná cresceram 61% entre 2010 (R$ 500,1 milhões) e 2015 (R$ 805,1 milhões).

Já na atenção especializada, os repasses, por meio do Bloco de Média e Alta Complexidade (Teto MAC e incentivos) cresceram 62,6% entre 2010 e 2015, passando de R$ 1 bilhão para R$ 1,6 bilhão. Em 2016, até agora, foram repassados R$ 732,5 milhões.

Para o Fundo Estadual de Saúde, houve ampliação de 49,5% entre 2010 (R$ 722,1 milhões) e 2015 (R$ 1 bilhão). Em 2016, já foram repassados R$ 502 milhões.

Além disso, foram destinados pelo Ministério da Saúde aos gestores municipais de saúde do Paraná, no ano passado, R$ 910,9 milhões relativos aos 63,1 milhões de procedimentos ambulatoriais realizados; e R$ 1,1 bilhão referentes aos procedimentos hospitalares. Para os gestores estaduais, foram R$ 432,2 milhões para custear os 78,7 milhões de procedimentos ambulatoriais e R$ 573 milhões para os 429 mil procedimentos hospitalares.

Colaboração: Assessoria de imprensa