24°
Máx
17°
Min

Morador de Paranavaí, haitiano é primeiro refugiado do Paraná a obter Carteira de Habilitação

Carteira foi emitida pelo Detran em junho (Foto: Detran-PR) - Haitiano é primeiro refugiado do Paraná a obter CNH
Carteira foi emitida pelo Detran em junho (Foto: Detran-PR)

Mora em Paranavaí o primeiro imigrante refugiado a obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) no Paraná. O haitiano Evenel Pierre veio ao Brasil para tentar melhores condições de vida e decidiu buscar o documento tanto para ajudar no campo profissional quanto para o lazer.

“Com a habilitação, em caso de necessidade, eu posso dirigir o carro da empresa e é um diferencial para vagas melhores. Também espero que um dia eu possa comprar um carro para trabalhar e também poder levar a minha família passear quando ela vier para cá”, contou.

A CNH do haitiano foi emitida no mês de junho pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR). O protocolo para o pedido é de 2015, ou seja, recente, para todos que possuem registro no Comitê Nacional para Refugiados (Conare).

“A CNH é importante para o exercício da cidadania e tem um peso na vida destes imigrantes. Eles passam por todo o processo de habilitação, conhecem nossas leis de trânsito e são capacitados a dirigir no Brasil, como qualquer brasileiro”, colocou o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

Uma haitiana, um cubano e um angolano também já entraram com o pedido de CNH no Paraná e aguardam a tramitação.

Como conseguir a CNH?

O primeiro passo para o refugiado conseguir a CNH é ter cadastro no Conare, que confirma que o imigrante está em situação legal no Brasil. Para quem já tem habilitação no país de origem, é preciso apresentar a carteira com a validade e tradução oficial do documento, registradas na Junta Comercial do Paraná.

Para quem não tem CNH estrangeira, acontece como os brasileiros, com a necessidade do curso de direção e aprovação nos testes psicológico, físico, teórico e prático.

Refugiados

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), o Brasil abriga hoje 8.863 refugiados reconhecidos, com 79 nacionalidades distintas. A região Sul do país, ou seja, os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, concentram 35% desse total.

Porém, esse número diz respeito apenas aos imigrantes registrados, fora os que ainda trabalham na documentação e os haitianos, que têm outro tipo de visto no Brasil.

Colaboração Agência Estadual de Notícias