22°
Máx
17°
Min

Moradores não conseguem solução da Prefeitura para terreno abandonado

CURITIBA ABANDONADA: Moradores não conseguem solução da Prefeitura

Um terreno está gerando dor de cabeça para moradores da Vila Nova, no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba. Uma grande área na rua Ivaiporã, que foi ocupada irregularmente, está repleta de entulho, lixo e poças d’água. “O espaço está completamente abandonado. O povo não aguenta mais. Os ratos são comuns por ali. Já houve casos de leptospirose na região”, conta um morador que denunciou a situação ao Massa News. As fotos enviadas por ele mostram uma enorme quantidade de entulho no terreno.

De acordo com ele, existe uma força-tarefa para ligar para a Prefeitura de Curitiba, pelo telefone 156, para realizar a limpeza do terreno. “Esta área está desse jeito há mais de ano. O pessoal que estava aqui foi para casas da Cohab, mas ficou esse entulho, essa confusão toda. Quando chamamos, vem uma equipe e faz uma limpeza superficial, como  se ficassem no margem do terreno. A situação mesmo não é resolvida”, comenta.

Ele chegou a denunciar o caso em uma página de uma rede social da Prefeitura para chamar atenção após várias solicitações para que a situação fosse efetivamente resolvida. “Vieram com o caminhão e tiraram um pouco de lixo. Mas infelizmente o caso continua e isto tem gerado muitos problemas para quem mora por aqui”, explica.

A Administração Regional Boqueirão informou, por meio de nota divulgada pela assessoria de imprensa da Prefeitura de Curitiba, que área era uma ocupação irregular. “As famílias que ali estavam foram relocadas e as casas destruídas. A retirada do lixo é feita com frequência. Na semana passada foram retirados quatro caminhões de lixo do local. A regional solicita apoio da população para o correto descarte do lixo”, cita a nota.

O morador está cansado com o tudo o que acontece nesta área. “Já não sabemos mais o que fazer, porque parece que a situação fica na mesma, apesar de ligar e reclamar. Aqui está cheio de poça d’água e ficamos com esse perigo da dengue”, salienta o morador.