22°
Máx
17°
Min

Moro diz que não pode intervir sobre polêmica Uber x Táxi; impasse deve ser resolvido por Fruet

(Foto: Marcus Carazzai/Rede Massa) - Assim como em SP, solução de Táxi x Uber tem que vir da Prefeitura
(Foto: Marcus Carazzai/Rede Massa)

Depois da manhã movimentada por conta dos taxistas que se mobilizaram para entregar ao juiz Sérgio Moro, na Justiça Federal, um dossiê, que segundo eles, comprova crime de lavagem de dinheiro praticado pela Empresa que administra o Uber, mas na teoria, o ato não altera em nada a questão.

Conforme a assessoria, o problema envolvendo taxistas e motoristas do Uber, não é de competência federal. Em São Paulo, por exemplo, o prefeito Fernando Haddad publicou em maio o decreto que autoriza serviços de transporte individual por aplicativos na cidade. Nesse caso, após a decisão do prefeito, o impasse entre taxistas e Uber foi solucionado.

Apesar disso, mesmo entendendo que o Uber faz parte do sistema de transporte de uma cidade, o prefeito afirmou em entrevista coletiva na última semana que “para ele, resolver essa situação entre táxis e Uber, não é prioridade”. 

Crime

Sobre o ‘dossiê’, a assessoria comentou que basicamente, a denúncia relata crimes de lavagem de dinheiro que teriam sido praticados pelo Uber. Possivelmente o juiz encaminhe o dossiê ao MPF, que também, possivelmente, deverá encaminhar às autoridades competentes no Estado onde os supostos crimes teriam sido constatados. 

Todas estas questões foram previamente explicadas aos taxistas, que insistiram mesmo assim em conversar com o juiz, que gentilmente os atendeu e mais uma vez, argumentou sobre a questão da ‘competência’.

A assessoria relatou que quando a assessoria da União dos Taxistas de Curitiba (UTC) entrou em contato informando que os taxistas queriam um ‘encontro’ com o doutor Sérgio Moro, ele respondeu com a seguinte nota: "Dentro de uma democracia, é apropriado e louvável que cada um, individual ou coletivamente, defenda os seus direitos em manifestações pacíficas. Apesar de respeitar essas manifestações, tenho acompanhado apenas a distância a oposição entre o serviço de táxi e o serviço oferecido pelo Uber. Como juiz federal, de competência limitada a casos criminais específicos, não me cabe arbitrar ou interferir nessa disputa. Qualquer intervenção da minha parte seria inapropriada em relação aos deveres próprios da magistratura".