27°
Máx
13°
Min

Motoristas paranaenses já cometeram mais de 1 milhão e 500 mil infrações no trânsito em 2016

(Foto: Arquivo/AEN) - Paraná já registrou 1 milhão e 500 mil infrações de trânsito em 2016
(Foto: Arquivo/AEN)

Os motoristas cometeram mais de 1 milhão e 542 mil infrações de trânsito apenas no primeiro semestre de 2016. O número é 17% maior que o registrado no mesmo período do ano passado, quando foram 1,3 milhão de multas. O excesso de velocidade ainda continua sendo o principal motivo das autuações, somando 444 mil multas nos três tipos de infrações previstos pela legislação de trânsito: até 20% da velocidade permitida, entre 20% e 50% e acima de 50% do indicado para a via.

“Entre os fatores que contribuem para o aumento do registro das infrações estão a distração constante do motorista, a fiscalização mais intensa e uma rede maior de radares eletrônicos. Mas, vale lembrar, só leva multa quem estiver desrespeitando a Lei. Quem respeita, não é multado. Então, a melhor forma para não ser pego no radar é não ultrapassar a velocidade, não furar o sinal, nem parar sobre a faixa de pedestre”, destaca o diretor-geral do Departamento de Trânsito do Estado, Marcos Traad.

“Infelizmente, o pagamento de multas e os pontos na CNH foram as formas encontradas pelos legisladores para coibir atitudes reprováveis ao volante. O poder público investe em educação. Mas, muita gente não dá valor a estas mensagens. O rigor na Lei se tornou essencial para reforçar aquilo que já devíamos adotar naturalmente: como não beber e dirigir, usar cinto de segurança, capacete, entre tantos outros”, complementa Traad.

As mais cometidas

A infração mais cometida pelos motoristas é dirigir em até 20% acima do limite permitido. De janeiro a junho, foram 436.613 autuações por este motivo, o equivalente a 28% do total de infrações.

Em seguida, aparecem: estacionar em desacordo com a regulação, no estacionamento rotativo, com 121.205 multas; avanço do sinal vermelho (82.191); velocidade entre 20% e 50% do permitido (74.447); falta do uso do cinto de segurança (66.774); dirigir falando ao celular (60.693); e falta de registro de veículo após o prazo de 30 dias da venda (59.890).

Fecham o ranking das 10 infrações mais comuns aquelas relacionadas a estacionamento: estacionar em local ou horário proibido (44.184 autos), estacionar em desacordo com a sinalização (32.771) e estacionar na calçada (31.029).

Gravidade

De acordo com o Detran, as infrações mais frequentes são aquelas consideradas médias, como dirigir até 20% acima da velocidade máxima permitida, usar o celular ao volante e estacionar em local proibido, por exemplo. Para a coordenadora de infrações do Detran, Marli Batagini, o baixo valor das multas e a ideia errada de que elas não oferecem grandes consequência contribuem para que elas sejam as mais cometidas.

“No trânsito as infrações não causam apenas prejuízos financeiros, mas também colocam em risco a vida do indivíduo e da coletividade. Muitas vezes o que é visto como um ato simples, por ser uma infração média, pode levar a colisões graves, fazer vítimas e colocar a vida de outras pessoas em risco”, alerta ela.

Hoje, quem comete uma infração dessa natureza paga multa de R$ 85,13 e recebe quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A partir de novembro, com a Lei Federal 13.281, a multa passará para R$ 130,16.

Municípios

Curitiba registrou 619.432 infrações nos primeiros seis meses deste ano. Aumento de 31% na comparação com 2015, quando foram 472.758 autuações. Londrina, que instalou novos radares neste ano, teve a maior alta para o período: 73%. Passou de 58.150 infrações no ano passado para 100.474 em 2016.

Foz do Iguaçu e Ponta Grossa também tiveram aumento no número de infrações, 26% e 29%. A cidade do Oeste do Estado registrou 60.414 multas em 2015 e 76.012 em 2016. No munícipio dos Campos Gerais, o número era de 36.921 e chegou a 47.597.

Maringá e Cascavel continuam no ranking, mas registraram queda nas infrações. A primeira, de apenas 0,39%, passando de 159.519 autuações entre janeiro e junho de 2015, para 158.903 nos mesmos meses de 2016. Já a segunda teve queda de 24%: foram 67.589 multas no primeiro semestre do ano passado e 50.940 neste ano.

De todas as infrações registradas no Paraná, 69% são de competência dos órgãos municipais de trânsito, principalmente devido ao uso de fiscalização eletrônica, que permite maior precisão. Os órgãos estaduais, como o Detran e a Policia Rodoviária Estadual, por exemplo, respondem apenas por 13% das autuações emitidas.