21°
Máx
17°
Min

Movimento dos Artistas de Rua de Londrina ocupa antiga sede da ULES

(foto: Nelson Sato) - Movimento ocupa antiga sede da ULES
(foto: Nelson Sato)

O Movimento dos Artistas de Rua de Londrina (MARL) passa a ocupar, de forma permanente, o barracão da antiga sede da União Londrinense dos Estudantes Secundaristas (Ules), na avenida Duque de Caxias, a partir desta segunda-feira (27).

“O espaço que estamos ocupando durante muito tempo foi gerido pela entidade estudantil dos secundaristas, a ULES. Mas está há mais de 10 anos abandonado e com vários problemas estruturais”, diz o movimento em nota.

O grupo se compromete a reformar o barracão para atividades de ensaios, oficinas para a população, biblioteca, horta comunitária e eventos.

A iniciativa foi motivada por outras experiências feitas em São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. “Uma das experiências mais emblemáticas é da sede do Instituto Pombas Urbanas, que há mais de 12 anos ocupa o espaço de um supermercado abandonado na Cidade Tiradentes, Zona Leste de São Paulo. Quando o grupo entrou no barracão, só havia as paredes e entulho, em pouco tempo, havia uma sede. Hoje o prédio abriga uma biblioteca, um teatro, sala de ensaios e sedia vários grupos independentes formados a partir de oficinas de teatro com a comunidade”, afirma o grupo, surgido em 2012 na cidade.

“Londrina é reconhecida por uma intensa atividade artística, por uma grande profusão de festivais, mostras e grupos de diversas linguagens. Por outro lado, extremamente deficiente em equipamentos culturais. Existem poucos e os que existem estão aos cacos. A situação é ainda pior nas periferias, onde praticamente não existem. É que o forte da cidade não é a arte, mas a especulação imobiliária. Sendo assim, um shopping fica pronto em 6 meses e um teatro municipal não fica pronto em 50 anos, e acaba sendo engolido pelo shopping. Diversos espaços ociosos, que poderiam abrigar coletivos artísticos, ensaios, oficinas, apresentações, bibliotecas, exibições de cinema, etc., correm o risco de serem arrebatados por algum empreendimento megalomaníaco, dando muito lucro para poucos, e erguendo barreiras a quase todos”, argumenta o Movimento.

O documento assinado pelo grupo exige a ligação imediata de água e energia no imóvel e listagem, por parte da prefeitura, de espaços que não cumprem função social.

Exigimos imediatamente a cessão oficial do imóvel público ao Movimento dos Artistas de Rua de Londrina, bem como a imediata ligação de água e energia, para que possamos dar início às atividades programadas.

Exigimos que a Prefeitura divulgue a listagem de espaços públicos que não cumprem função social para que outros coletivos culturais, artísticos e educativos tenham onde realizar seus trabalhos.

Exigimos a permanência e a manutenção, com condições dignas de estrutura, do Centro Cultural Wãre, que abriga atualmente 30 famílias da comunidade indígena Kaingang, povo originário desta terra, que vem sendo boicotada e pressionada a deixar o local.

Exigimos a imediata revisão do projeto de reforma da Praça Pedro Bezzarini, no Jardim Igapó e a apuração das irregularidades que permeiam todo o processo.

Exigimos que as periferias deixem de ser palco de chacinas e violência do Estado. Defendemos que a violência seja combatida através de políticas pública de cultura, educação e saúde e não de repressão. Arte pública é saúde pública, educação pública e segurança pública.

“Convidamos todos os fazedores e militantes da Cultura a unir esforços na garantia da ocupação para que ela se torne um ponto público e autogerido de fomentação e trocas artísticas. Convidamos também as autoridades do Município para conhecer nosso projeto e abrir um canal de diálogo”, finaliza o documento, assinado pela Cia. Boi Voador, Cia. Curumim Açu, Cia. Palhaços de Rua, Cia. Teatro de Garagem,  Clã Pé Vermelho- Permacultura e Bio-construção, Coletivo Cão sem Plumas, Comitê do Passe Livre de Londrina, Comunidade Kaingang, Frente Anti-Fascista, MACUL - Movimento Artesanato é Cultura, Maracatu Semente de Angola, Movim ento Cultura Londrina contra o Retrocesso, Movimento Punk Núcleo Ás de Paus e Teatro Kaos.