24°
Máx
17°
Min

MST bloqueia BR-369, em Arapongas, e PR-445, em Tamarana

(foto: WhatsApp/Divulgação) - MST bloqueia BR-369, em Arapongas, e PR-445, em Tamarana
(foto: WhatsApp/Divulgação)

Integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST) ocuparam a praça de pedágio da Viapar, na BR-369, entre Rolândia e Arapongas, na manhã desta quinta-feira (19). As cancelas foram liberadas e motoristas estão passando sem pagar a tarifa.

(foto: PRF/Divulgação)(foto: PRF/Divulgação) 

Também há registro de bloqueio no quilômetro 26 da PR-445, entre Londrina e Tamarana, com cerca de 150 integrantes do movimento, segundo a Polícia Rodoviária Estadual. Uma equipe da PRE acompanha o protesto no local.

Na PRC-272, altura do trevo de Faxinal, o bloqueio está sendo feito com liberação de veículos de meia em meia hora.

O fechamento das rodovias faz parte de uma ação do MST contra a desocupação da fazenda Santa Maria, em Santa Terezinha de Itaipu, no oeste do estado. Na manhã de quarta-feira (18), o movimento bloqueou a BR-277 nos dois sentidos e ateou fogo em veículos para evitar a aproximação policial.

A Fazenda Santa Maria foi ocupada no dia 18 de março por mais de cinco mil integrantes do MST. Eles alegam que a invasão é por conta do dono da propriedade, que seria um dos investigados na Operação Lava Jato, fato que já foi esclarecido pelos advogados de defesa da fazenda. Conforme eles, houve um equívoco, já que o cliente não está entre os investigados.

A fazenda era produtiva, mas desde que foi invadida, os trabalhos foram parados. A propriedade ganhou várias moradias improvisadas para abrigar as famílias do movimento.

A ordem de reintegração de posse foi entregue aos líderes do acampamento, no dia 20 de março, dois dias após a ocupação. O documento foi entregue por um oficial de justiça que pediu apoio da PM. Na determinação, o MST tinha 48 horas para desocupar o local, no entanto as famílias afirmaram que não deixariam a propriedade.