27°
Máx
13°
Min

Mulher simula o próprio sequestro para extorquir R$ 500 mil de um amigo empresário

(Foto: Divulgação/Polícia Civil do Paraná) - Mulher simula o próprio sequestro para extorquir R$ 500 mil de um amigo empresário
(Foto: Divulgação/Polícia Civil do Paraná)

Uma mulher de 39 anos foi presa em Curitiba ontem (29) suspeita de simular o próprio sequestro para extorquir R$ 500 mil de um amigo empresário. Além dela, outras duas pessoas envolvidas no falso sequestro foram presas por policiais do Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial). 

De acordo com as investigações do Tigre, o plano era simples: assim que o empresário chegasse na casa da amiga, ele seria rendido por dois comparsas que diriam a ele que ela tinha sido sequestrada. E que ele deveria pagar R$ 500 mil de resgate para que a amiga não fosse morta. 

O empresário foi mantido refém na casa da amiga por três horas. Por volta das 6 horas da manhã ele foi libertado com o compromisso de arranjar R$ 500 mil para salvar a vida da amiga. Imediatamente, ele procurou a Polícia Militar que realizou o primeiro atendimento e o orientou a procurar o Grupo Tigre - unidade da Polícia Civil especializada nessa modalidade criminosa - que iniciou as investigações. 

O plano começou a naufragar na tarde de terça-feira (29), depois que policiais do Tigre conseguiram localizar a mulher que estava se passando por vítima de sequestro e puderam constatar que se tratava de um golpe. A partir daí, os policiais identificaram e prenderam três pessoas envolvidas com o crime: duas mulheres, de 39 e 41 anos, e um homem de 30 – este último teria, segundo as investigações, abordado e mantido o empresário com refém. A polícia já identificou mais um homem que teria envolvimento com o falso sequestro e agora trabalha para prendê-lo. 

De acordo com o delegado operacional do Tigre, Cristiano Quintas, a intenção dos criminosos era simular o sequestro para conseguir de um empresário amigo o dinheiro e dividi-lo entre eles. 

“As duas mulheres e o homem preso responderão pelo crime de extorsão qualificada e, em caso de condenação, poderão pegar de quatro a dez anos de prisão em regime fechado”, explicou. 

Além de prender o trio, os policiais do Tigre conseguiram recuperar o veículo do empresário que havia sido roubado.

Colaboração Polícia Civil do Paraná.