27°
Máx
13°
Min

Munhoz de Mello é primeiro município do PR a atingir meta da vacinação contra a dengue

Adolescentes e jovens de 15 a 27 anos são público-alvo (Foto: Sesa) - Munhoz de Mello é primeiro município do PR a atingir meta da vacinação
Adolescentes e jovens de 15 a 27 anos são público-alvo (Foto: Sesa)

Munhoz de Mello (a 50 quilômetros de Maringá) foi o primeiro município do Paraná a atingir a meta da campanha de vacinação contra a dengue, ao imunizar mais de 80% do público-alvo, formado por adolescentes e jovens entre 15 e 27 anos. Até o fim da tarde de segunda-feira (5), 84,7% haviam sido vacinados.

Para chegar até o público-alvo, o horário de funcionamento das unidades de saúde foi estendido e houve ainda imunização em escolas, empresas e academias, por meio de um mapeamento semanal dos adolescentes e jovens.

“Além ir até as residências, também entramos em contato, pelo Whatsapp e Facebook, com jovens que ainda não tinham se vacinado. Nas conversas, lembramos as consequências da dengue e buscamos esclarecer todas as dúvidas sobre a vacina para que a pessoa tivesse segurança e confiança no nosso trabalho”, contou o secretário municipal de Saúde, Mauro Sérgio de Araújo.

O município espera, já no verão, ter menos casos de dengue.

Vacinação no estado

Por causa do baixo índice de vacinação, a campanha foi estendida no Paraná até o dia 24 de setembro. “Nossa meta é atingir 80% da população que tem direito à vacina no Estado, mas o resultado disso vai ser estendido a todos os cidadãos. Mesmo quem não faz parte do público-alvo vai ser beneficiado a partir da redução da circulação do vírus na região em que reside”, explica a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira.

O governo do Estado acredita que a meta deve ser atingida em 27 cidades, porém, as maiores preocupam. Até segunda-feira, Londrina tinha atingido apenas 14,3% da população, Foz do Iguaçu 19,82% e Maringá 21,46%.

“A população precisa relembrar os impactos negativos que a dengue traz a todos. É uma doença séria, que pode evoluir para casos graves e, até mesmo, levar à morte. No último período epidemiológico tivemos o pior índice de óbitos por dengue no Paraná, com 61 mortes. Não podemos permitir que isso aconteça mais uma vez”, reforça Cleide.

Colaboração Agência Estadual de Notícias