26°
Máx
19°
Min

Não fazer manutenção do veículo triplica risco de acidente

(Foto: Juliano Pedrozo/DetranPR) - Não fazer manutenção do veículo triplica risco de acidente
(Foto: Juliano Pedrozo/DetranPR)

A partir desta quarta-feira (11) a falta de manutenção no veículo é o tema da campanha “31 dias para mudar o trânsito”, promovida pelo Governo do Paraná e Departamento de Trânsito do Estado (Detran). Sem revisão e manutenção, as chances de um carro se envolver em um acidente é três vezes maior, alerta o Detran. 

“Antes de sair com o veículo, é preciso saber se os componentes e peças do carro estão funcionando, dentro do tempo de vida útil e se não estão desgastados. Uma pane na estrada, por exemplo, atrasa a viagem de muita gente e aumenta o risco de colisões. Na chuva, um pneu careca tem mais chance de derrapar e se o limpador de parabrisa estiver quebrado, o motorista não consegue nem ver o que está à frente”, lembra o diretor-geral do Detran, Marcos Traad. 

Uma pesquisa feita no Brasil em 2014 pelo Instituto Scaringella Trânsito apontou que a falta de manutenção preventiva dos veículos está relacionada à ocorrência de 27% dos acidentes urbanos e rodoviários no país. O Detran orienta que a manutenção preventiva dos principais itens do veículo, como freio, nível de óleo e amortecedor, seja feita a cada 10 mil quilômetros ou seis meses. 

Checagem

Também é essencial checar as luzes de farol, para visibilidade; a suspensão, que garante o controle do veículo em curvas ou freadas bruscas; e o cinto de segurança, que deve funcionar perfeitamente em caso de colisões. 

“Além de priorizar pela segurança, quem evita desgastes das peças e não deixa para fazer a manutenção só quando o carro apresenta defeito também economiza. Nossa estimativa é que a manutenção de prevenção fique até 30% mais em conta que a corretiva”, completa Traad. 

Carros bem cuidados também gastam menos combustível. A simples calibragem dos pneus pode reduzir em até 4% o consumo de gasolina, segundo dados do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV).

Colaboração AENPr.