22°
Máx
14°
Min

Novas mortes causadas pela dengue são registradas no Paraná

(Foto: Divulgação/SMCS) - Novas mortes causadas pela dengue são registradas no Paraná
(Foto: Divulgação/SMCS)

Quatro novas mortes causadas pela Dengue foram registradas no Paraná. O número está Boletim semanal da Dengue, divulgado nesta terça-feira (28) pela Secretaria Estadual de Saúde. Ao todo, desde agosto de 2015, quando o Boletim começou a ser realizado, 31 pessoas já morreram no estado por causa da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que também transmite o Zika Vírus e a febre Chikungunya.

Em relação aos casos confirmados, o Paraná registrou um aumento de 13% em uma semana. Ao todo, são 18.541 mil casos registrados contra 15.946 mil da semana passada. Destes, 16.632 casos são autóctones, ou seja, quando a pessoa contrai a doença dentro do Paraná. Os outros casos são importados.

Além disso, quatro novos municípios entraram em estado de epidemia de dengue neste último boletim. Ampére, Corbélia, Marialva e São Jorge do Ivaí completam a lista das 40 cidades epidêmicas do Paraná. Ao todo, 299 municípios estão infestados pelo mosquito. Destes, pelo menos 219 já apresentaram casos autóctones.

Já em relação ao Zika Vírus, dez novos casos foram registrados no estado, totalizando 200 registros da doença na cidade. Entre esses casos, pelo menos 16 são relacionados a grávidas que contraíram a doença. Uma delas, inclusive, sofreu aborto espontâneo na semana passada. As pacientes estão sendo acompanhadas por equipes de saúde da Rede Mãe Paranaense. A febre Chikungunya tem apenas um novo caso importado, subindo para 41 registros da doença no Paraná.

Paraná pretende  adquirir vacinas contra a dengue 

O secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto, vai a Brasília nesta quarta-feira (30) para uma reunião com o presidente da Anvisa, Jarbas Barbosa. O objetivo é buscar mais informações sobre a vacina contra a dengue, já que o produto foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária no dia 28 de dezembro do ano passado.

Na pauta também está o preço da vacina no Brasil, que será definido pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos, vinculada à Anvisa. O Governo do Estado pretende adquirir as doses

A partir do valor estabelecido pela ANVISA, o Estado poderá negociar com a indústria farmacêutica produtora e organizar a campanha de vacinação. A intenção é promover, ainda neste ano, segundo o Governo estadual, uma campanha estadual de vacinação contra a doença, priorizando grupos de risco e regiões prioritárias.

Colaboração: Assessoria de Imprensa da Secretaria Estadual de Saúde