27°
Máx
13°
Min

Obras em terminais de ônibus de Curitiba não saem do papel

Terminal do Campina do Siqueira (Foto: Google Street View) - Obras em terminais de ônibus de Curitiba não saem do papel
Terminal do Campina do Siqueira (Foto: Google Street View)

Os usuários do transporte coletivo de Curitiba aguardavam intervenções importantes anunciadas pela prefeitura municipal para melhorar o serviço na cidade. Seriam obras que dariam melhor segurança e conforto aos passageiros, além de aumentar a estrutura do sistema de transporte. No entanto, estas obras ainda não saíram do papel.

Em 2014, a prefeitura anunciou que o terminal do Tatuquara teria suas obras iniciadas no primeiro semestre deste ano. Naquela época, a administração municipal abriu o edital de licitação para projetos executivos para a obra. Também foram programadas as intervenções nos terminais do Campina do Siqueira e do Hauer, com licitação prevista inicialmente para novembro do ano passado. Seriam obras de ampliação e reforma. Até o momento, estas obras não foram iniciadas.

Para representantes da Associação dos Empresários do Grande Boqueirão - que abrange o Hauer - ouvidos pelo Massa News, o terminal do Hauer já não está mais adequado ao fluxo na região, tanto de passageiros quanto do entorno, em função do trânsito na Avenida Marechal Floriano Peixoto. Uma mudança no terminal é uma demanda de quem mora ou trabalha no bairro.

Também era compromisso da atual gestão da prefeitura de Curitiba a construção de outro terminal na região sul da cidade (além do Tatuquara) e um na região oeste.

A Prefeitura de Curitiba, por meio de assessoria de imprensa, informou que a implantação do terminal do Tatuquara e as obras de reforma e ampliação dos terminais do Campina do Siqueira e Hauer dependem da liberação de recursos do governo federal. Estas obras estão previstas no PAC da Mobilidade.

Na região da Cidade Industrial de Curitiba, está prevista a instalação de uma “estação-terminal” na rua Eduardo Sprada, como parte do projeto do Ligeirão Leste-Oeste. Este seria uma ampliação da linha Centenário-Campo Comprido. Segundo a prefeitura, a primeira etapa para a obra na Eduardo Sprada foi licitada. No entanto, também depende de liberação de recursos do governo federal, o que não ocorreu até o momento.

Ainda na CIC, existe um projeto para a instalação do CIC-Sul. Esta obra está vinculada ao projeto do metrô, que ainda não tem previsão para sair do papel. De acordo com a prefeitura, o projeto está aprovado junto à Caixa, mas também depende do envio dos recursos do governo federal.

Os usuários do sistema de transporte de Curitiba, especialmente destas regiões, seguem aguardando uma definição e enfrentam os dilemas do dia a dia.