27°
Máx
13°
Min

Operação Rondon se integra à comunidade em Teixeira Soares

Atuam na cidade alunos da UEPG, UP e Unopar; atividades também acontecem em Ipiranga, Reserva e Palmeira (Foto: Divulgação) - Operação Rondon se integra à comunidade em Teixeira Soares
Atuam na cidade alunos da UEPG, UP e Unopar; atividades também acontecem em Ipiranga, Reserva e Palmeira (Foto: Divulgação)

A interação entre estudantes e professores e a integração com a comunidade motivam a equipe da Operação Rondon UEPG 2016, em Teixeira Soares. Revezando-se em atividades em escolas, centros profissionalizantes, centros de atenção social e de saúde, creches e entidades comunitárias, atuam no município rondonistas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Universidade Positivo (UP) e Universidade do Norte do Paraná (Unopar/Campus Ponta Grossa). O grupo está alojado no Centro de Eventos Miguel Belinoski, com apoio logístico da Prefeitura de Teixeira Soares.

A Operação Rondon UEPG 2016 teve início no último domingo (31/7). Professores e acadêmicos da UEPG e mais nove instituições permanecem até 13 de agosto em Ipiranga, Palmeira, Reserva e Teixeira Soares. Também participam o Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage), Faculdade Sagrada Família (FASF), Sociedade Educacional Santa Amélia (Secal), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Faculdade Paranaense (Fapar), Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Unioeste) e União dos Escoteiros do Brasil (UEB).

Para o professor João Luiz Coelho Ribas (Universidade Positivo), esse relacionamento interinstitucional é importantíssimo. “É o crescimento da extensão”, diz, observando que instituições particulares nem sempre têm oportunidade de participar de ações como a Operação Rondon. “Nossos alunos estão se integrando com estudantes de outras instituições e isso terá reflexos na formação de todos”. Graduado em Farmácia pela UEPG, João Ribas ressalta o aspecto multidisciplinar do Rondon. A UP participa com alunos de Medicina, Enfermagem, Odontologia, Fisioterapia e Biomedicina, interagindo com estudantes de Arquitetura, Economia, Jornalismo e Computação, entre outros.

Em sua primeira participação numa operação do Rondon, João Luiz Ribas classifica a experiência como sensacional, pelas novas amizades e a integração com a comunidade. “Estar aqui valeu a pena”, diz, observando que esse contato com realidades totalmente diferente do dia a dia das universidades traz um crescimento muito grande para todos. “É recompensador quando você aplica um conhecimento e vê que deu certo e deu início a um processo de mudança. É um trabalho de formiguinha mesmo”.

Bruno Affonso (Engenharia da Computação/UEPG) é uma espécie de coringa da equipe em Teixeira Soares. Sempre apostos para resolver (ou tentar) problemas dos amigos com computadores e outros eletrônicos, conta que já participou de oficinas de teatro e de cuidados com idosos. “Esse trabalho multidisciplinar nos dá outra visão de mundo”, observa, o futuro engenheiro, que vai ministrar oficina uma Instalação de Computadores, com o apoio dos colegas, futuros médicos, dentistas, enfermeiros, arquitetos e jornalistas.

A interatividade dos rondonistas com o público alvo das oficinas é uma das marcas da Operação Rondon UEPG. E nesse quesito, na oficina de Ciências, os acadêmicos Gabrielle Agrocetto (Odontologia/Positivo) e Gabrielle de Campos e Guilherme Camargo (Farmácia/UEPG) obtiveram êxito. Para a professora Mercedes Áurea Costa, da Escola Municipal Alteny Maria de Lourdes, eles foram fantásticos na transmissão do conhecimento para os alunos do 5º ano. “Todos eles ficaram maravilhados e motivados e vão levar isso para a casa, para os pais, referindo-se à receita para fazer sabão, reutilizando óleo de cozinha”, disse.

Na Escola Municipal Alteny Maria de Lourdes, os rondonistas ainda envolveram os alunos em oficinas de saúde bucal, instalações elétricas e hidráulicas e beleza feminina. No Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Familiares Aroldo Basso, ministram uma oficina sobre materiais recicláveis. No final, as crianças do educandário ganharam um ‘puff’ feito com garrafas PET, embalagem longa vida e EVA. A educadora social Pamela Bilibio, destacou o interesse das crianças pela atividade. Elas mesmas fizeram a estampa do ‘puff’. O centro atende os menores no contraturno escolar.

Na Unidade de Atenção Primária Saúde da Família Márcia Aparecida Marchinski Panassolo, os rondonistas ministraram a oficina ‘Formação para Agentes de Saúde’, repassando informações diversas sobre medicamentos, relacionamento com pacientes e qualidade de vida dos próprios agentes. No final da atividade, em uma dinâmica de grupo, todos foram unânimes no aproveitamento que tiveram. “Nunca podemos dizer que sabemos tudo. Cada dia aprendemos mais e devemos levar esse conhecimento para quem não tem acesso”, disse um dos agentes.

A coordenadora da Operação Rondon UEPG em Teixeira Soares, professora Ana Veber (Departamento de Ciências Farmacêuticas), disse que o conjunto dos depoimentos dos agentes de saúde é motivador. “Quantas coisas eles aprenderam e estarão replicando para outras pessoas”, disse referindo-se tantos aos agentes como aos rondonistas. Ressaltou a importância de todos estarem conectados, conscientes de que se relacionar, trocar ideias e trabalhar de forma coordenada é importante, dentro de um objetivo comum a todos, que é a saúde da população.

Colaboração Assessoria de Imprensa.