22°
Máx
16°
Min

Para Sinditest, saldo da reunião com HC teve “muitas promessas e poucos avanços”

(Foto: Divulgação/Sinditest) - Para Sinditest, saldo da reunião com HC teve “muitas promessas e poucos avanços”
(Foto: Divulgação/Sinditest)

Foi realizada durante a tarde desta quarta-feira (24), uma reunião entre a diretoria do Hospital do Clínicas e representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior no Estado do Paraná (Sinditest-PR), que representa os servidores técnico-administrativos do HC. De acordo com o sindicato, houve pouco avanço.

Os trabalhadores realizaram nesta quarta uma paralisação, convocada nacionalmente pela Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra). Além das pautas nacionais, a categoria também tinha reivindicações locais, que foram explicitadas em parte durante a reunião.

Segundo a coordenadora de administração e finanças do Sinditest-PR, Mariane Siqueira, que participou da reunião, o encontro foi marcado por muitas promessas e poucos avanços. No entanto, segundo ela, a reunião teve os seus pontos positivos. “Os diretores afirmaram que o reitor (da UFPR, Zaki Akel) conseguiu em Brasília uma verba de R$5 milhões que vai cobrir a falta de suprimentos que o hospital passa nesse momento. Com isso, eles garantiram que os salários não vão ter atrasos.”

Além disso, Mariane ressaltou que o Hospital se comprometeu a enviar um documento para todas as chefias, solicitando a flexibilização dos 15 minutos de intervalo para os funcionários. O Sindicato afirmava que os trabalhadores sofriam assédio moral ao precisar bater ponto para realizar o intervalo, uma vez que o aparelho ficava em lugar fixo e às vezes distante para determinados funcionários. Agora, não vai mais haver a obrigatoriedade de bater o ponto para sair para o intervalo.

Nesta manhã, os grevistas chegaram a invadir uma sala de reuniões na reitoria da Universidade Federal do Paraná, onde estava o vice-reitor da UFPR, Rogério Mulinari, para solicitar um encontro com a categoria, para a discussão das pautas dos trabalhadores que envolvem a Universidade.

No entanto, de acordo com Mariane Siqueira, o vice-reitor afirmou que não tinha competência para realizar tal encontro e que seria preciso aguardar o retorno do reitor Zaki Akel para que o encontro entre a categoria e a UFPR fosse realizado.

Os servidores voltam normalmente ao trabalho nesta quinta-feira (25). No entanto, a categoria permanece em estado de greve e podem voltar com a paralisação a qualquer momento. Uma nova paralisação já está confirmada. Vai acontecer no próximo dia 1º de março, onde a categoria vai realizar uma nova assembleia e novas reuniões com o Hospital de Clínicas e com a UFPR.

A reportagem tentou o contato com o Hospital de Clínicas e com a Universidade Federal do Paraná, mas ninguém foi encontrado para comentar o assunto.