27°
Máx
13°
Min

Paraná registra aumento nos casos confirmados de dengue, zika vírus e chikungunya

Aumento nos casos de dengue, zika vírus e chikungunya preocupam autoridades de saúde (Foto: Venilton Kuchler/ ANPr) - PR tem 25 casos de zika vírus e mais registros de dengue
Aumento nos casos de dengue, zika vírus e chikungunya preocupam autoridades de saúde (Foto: Venilton Kuchler/ ANPr)

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou 25 casos de zika vírus no Paraná, conforme informe técnico divulgado nesta quarta-feira (10). Onze casos são ‘importados’, ou seja, os pacientes contraíram a doença em localidades fora do estado. Três deles são autóctones (quando foram contraídos no próprio munícipio de registro): dois casos em Colorado, na região noroeste, e um em Londrina, no norte paranaense. Ainda há 11 casos que estão em investigação para determinar a origem da doença.

Paralelamente, a Sesa comunicou um aumento no número de casos confirmados de dengue, de 3.444 registros, até a semana passada, para 4.806 casos. Isto representa um aumento de 39,5% neste intervalo. O número total de casos se refere ao período entre agosto de 2015 e 10 de fevereiro deste ano. A Sesa ressalta que o período epidemiológico da doença acontece de agosto a julho do ano seguinte.

Foram registradas seis mortes por dengue neste período, sendo o último caso em Curitiba. As outras mortes aconteceram em Paranaguá (4) e Foz do Iguaçu (1). Outros nove casos ainda estão em investigação.

Catorze municípios estão em epidemia em função da dengue: Santa Terezinha de Itaipu, Tapira, Rolândia, Rancho Alegre, Munhoz de Mello, Assaí, Paranaguá, Santo Antônio do Paraíso, Cambará, Santa Isabel do Ivaí, Itambaracá, Nova Aliança do Ivaí, Mamborê e Guaraci.

O último informe técnico da Sesa ainda revelou aumento no número de casos confirmados de chikungunya, totalizando 11 ocorrências neste mesmo período. Um deles apenas é autóctone, registrado em Mandaguari, na região noroeste do Paraná.

Segundo a Sesa, estes aumentos nos casos confirmados aconteceram em função do uso de testes que fazem o diagnóstico simultâneo dos três vírus. Isto ampliou a capacidade de análise do Laboratório Central do Estado, responsável por este trabalho no Paraná.

Com colaboração da  Secretaria de Estado da Saúde