22°
Máx
14°
Min

Pela primeira vez, UEM entrega título de mestrado a indígena

(Foto: Divulgação) - Pela primeira vez, UEM entrega título de mestrado a indígena
(Foto: Divulgação)

O professor Florencio Rekayg Fernandes fez a defesa da dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM), tornando-se o primeiro indígena do Paraná a concluir um curso em nível de mestrado.

O trabalho “Formação e Atuação de Professores Pedagogos Indígenas no Paraná” teve orientação da docente Rosângela Célia Faustino, do Departamento de Teoria e Prática da Educação (DTP) da UEM. Ele aborda a relevância do exercício de pedagogos indígenas para a consolidação da escola intercultural e bilíngue no Paraná.

Fernandes é da etnia kaigang e pertence à Terra Indígena Mangueirinha. Ele foi alfabetizado em kaingang pelo professor Roberto Mineiro, nos anos de 1980, na Terra Indígena Rio das Cobras. Só após se apropriar da língua materna é que aprendeu o português.

A orientadora Rosângela Célia Faustino defende que é preciso que as universidades cumpram o papel de formação de pedagogos, para que se efetive a educação intercultural e bilíngue - prevista na Constituição Federal, Lei de Diretrizes e Bases da Educação e legislações subsequentes - em todas as escolas indígenas do Paraná.

Esses pedagogos vão trabalhar na alfabetização e gestão da escola indígena, estando aptos a propor e coordenar a elaboração de projetos pedagógicos comunitários, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação (Seed) e Núcleos Regionais de Educação, adequando as estruturas curriculares às diferentes realidades sociolinguísticas e socioculturais de cada terra indígena no Paraná.

Formandos

A UEM é a instituição que formou o maior número de estudantes indígenas no Ensino Superior do Paraná, mesmo sendo a mais distante das terras indígenas.

Juntas, as universidades estaduais de Maringá, do Norte do Paraná (Uenp), Ponta Grossa (UEPG), Centro-Oeste (Unicentro) e Oeste do Paraná (Unioeste) graduaram 14 pedagogas e pedagogos provenientes das etnias guarani e kaingang. Isso se deu depois da aprovação da lei estadual 13.134, de 2001, que garantiu o acesso de indígenas ao Ensino Superior no Paraná e permanência, por meio de bolsas de estudos.

Colaboração Assessoria UEM