27°
Máx
13°
Min

Polícia apreende dois mil isqueiros reutilizados de forma irregular

(Foto: Divulgação / Polícia Civil) - Polícia apreende dois mil isqueiros reutilizados de forma irregular
(Foto: Divulgação / Polícia Civil)

Cerca de dois mil isqueiros reutilizados e comercializados irregularmente foram apreendidos pela Polícia Civil de Prudentópolis, a 99 quilômetros de Ponta Grossa. A ação foi desencadeada na última quinta-feira (12), mas só foi revelada pelas autoridades nesta semana. Duas pessoas envolvidas no crime foram encaminhadas até a delegacia para prestar esclarecimentos.

A ação policial foi realizada pela Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (Deam), em uma ação conjunta com a Delegacia de Prudentópolis, que instaurou um inquérito policial para investigar as irregularidades da reutilização e comercialização desses produtos.

Armando Stoeberl, 24 anos, suspeito de reutilizar os isqueiros, foi localizado pela polícia em sua casa, na Vila Mariana. No local, todo o material foi apreendido. Já o comerciante Orlando Salache, 68 anos, responsável pela venda dos produtos, foi encontrado em sua residência no centro de Prudentópolis.

As investigações tiveram início depois que a Deam recebeu uma denúncia da empresa BIC, informando que seus isqueiros descartáveis estavam sendo reutilizados.

De acordo com a polícia, Stoeberl possuía uma fábrica clandestina em sua residência, onde ele recarregava os isqueiros colocando gás de cozinha. Após o trabalho, ele vendia o produto para Salache, que revendia os produtos em seu estabelecimento. “Essa reutilização dos isqueiros pode trazer acidentes graves a quem o adquirir, pois esse material pode vir a explodir”, disse o delegado-titular da Deam, Vinicius Borges Martins.

A Polícia Civil segue as investigações para descobrir de que maneira a dupla conseguia adquirir os isqueiros usados. “Eles confessaram o delito e foram encaminhados até a unidade policial para esclarecimentos”, informou o delegado-titular de Prudentópolis, Osmar de Albuquerque.

Stoeberl foi autuado pelo crime de uso ilegal de marca e Salache por concorrência desleal, pela venda ou exposição de produto adulterado. Ambos foram conduzidos para a Delegacia de Prudentópolis, assinaram um termo circunstanciado e foram liberados.

Colaboração Assessoria de Imprensa.