23°
Máx
12°
Min

Policial é preso suspeito de envolvimento em assalto

Dois homens, sendo um deles policial militar, foram presos na manhã de hoje (20), em Rio Branco do Sul, suspeitos de assalto à mão armada.

De acordo com informações da assessoria do Ministério Público do Paraná, “os dois homens teriam cometido o crime em 19 de agosto de 2015, em Itaperuçu, e teriam levado da vítima R$ 40 mil e eletrônicos”.

O policial, que foi preso preventivamente, tinha em sua casa cinco quilos de maconha, armas, silenciador e R$ 222 mil. O celular da vítima foi encontrado em posse do outro suspeito.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), ainda investigou que outro homem estaria envolvido no roubo, mas que já está morto, e que o veículo utilizado durante o assalto foi um carro descaracterizado de uso da polícia.

A reportagem do Massa News entrou em contato com a Assessoria da Polícia Militar para saber qual o posicionamento da corporação em relação ao fato e aguarda retorno.

Atualização

Informações apuradas pela reportagem do Massa News apontam que a terceira pessoa envolvida no caso e que morreu durante as investigações é Mauro Sidnei do Rosário. Ele trabalhava junto com o delegado Rubens Recalcatti, acusado de matar o assassino do ex-prefeito de Rio Branco do Sul, João Dirceu Nazzari.

Polícia Militar

Em nota, a Polícia Militar afirmou que apoiou o trabalho de investigação do Gaeco e confirmou os objetos e o dinheiro apreendido na casa do policial. Segundo a PM, ele ingressou na corporação em 2011. "No âmbito da Administração Militar, será avaliada a capacidade do mesmo em permanecer nas fileiras da Corporação", afirmou.

"É importante ressaltar que a Polícia Militar sempre busca a elucidação de todos os fatos que envolvem policiais militares e, se restar comprovada alguma responsabilidade, os instrumentos adequados de saneamento são adotados, na forma legal, sendo respeitados os direitos ao devido processo legal, à ampla defesa e ao contraditório, para qualquer militar estadual", finalizou.

Colaboração Daniela Borsuk/Assessoria Ministério Público