21°
Máx
17°
Min

Ponta-grossense morre durante ‘boia-cross’ no litoral do Paraná

Bombeiros encontraram o corpo do homem durante a manhã de segunda no Rio Nhundiaquara (Foto: Divulgação / PM) - Morador de PG morre afogado em rio no litoral do Paraná
Bombeiros encontraram o corpo do homem durante a manhã de segunda no Rio Nhundiaquara (Foto: Divulgação / PM)

O Corpo de Bombeiros localizou na manhã de segunda-feira (8) o corpo de Felipe França, 32 anos, que estava desaparecido desde a tarde de domingo (7). A vítima morava em Ponta Grossa e praticava “Boia-Cross” no Rio Nhundiaquara, em Morretes, no litoral paranaense, quando desapareceu. Desde então, buscas foram iniciadas na região para encontrá-lo. A ação contou com o apoio da aeronave do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA).

De acordo com o porta-voz do Corpo de Bombeiros no Litoral durante a operação “Verão Paraná 2015/2016”, Fernando Tratch, os bombeiros foram acionados poucas horas depois do desaparecimento e iniciaram buscas pela vítima. As equipes percorreram o leito do rio com bote inflável pela mesma região em que a vítima praticava o esporte. Eles também percorreram trilhas que poderiam ter sido usadas por Felipe.

As buscas foram interrompidas ao anoitecer, mas foram retomadas logo na manhã seguinte. As equipes concentraram as buscas no leito do rio, partindo do local onde foi encontrada a boia que a vítima estava usando. No final da manhã, o corpo do homem foi encontrado sem vida, preso pelo abdômen em uma raiz de árvore submersa, rio acima de onde estava a boia. De acordo com o capitão Tratch, o homem estava acompanhado do seu pai e do seu filho, era morador de Ponta Grossa e usava colete salva-vidas e capacete no momento do acidente.

Este foi o terceiro óbito por afogamento em rios no município de Morretes e o sétimo no litoral do Paraná durante a operação. “Além das praias, é comum que as pessoas procurem locais como rios, cachoeiras, lagos e represas para momentos de lazer e diversão, porém nestes momentos é importante ter sempre em mente a percepção do risco que estes locais podem oferecer”, explica.

Colaboração Assessoria da Polícia Militar.