22°
Máx
14°
Min

Prefeitura de Campo Largo desmente morte por H1N1

(Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo) - Prefeitura de Campo Largo desmente morte por H1N1
(Foto: Fábio Motta / Estadão Conteúdo)

O boato que se espalhou pelas redes sociais, de que uma moradora de Campo Largo teria morrido vítima de H1N1, não é verdadeiro. A prefeitura do município da Região Metropolitana de Curitiba informou que nenhuma pessoa morreu por conta da gripe na cidade.

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, a mulher que morreu foi internada com pneumonia. Ela tinha diabetes e também sofria de asma. Sua morte não teve nenhuma relação com a gripe H1N1, garantiu a comunicação do município.

Em nota, a secretaria de saúde de Campo Largo informou que “até o momento, não há registro de morte causada pela Gripe H1N1 na cidade”. “De janeiro a até a data de hoje (24) foram notificados 37 casos suspeitos de Síndrome Respiratório Aguda Grave (SRAG). Desses 37 casos, 22 são de pessoas que residem em Campo Largo. Dos 22 moradores de Campo Largo, apenas quatro casos foram confirmados para H1N1 (sendo que todos evoluíram para a cura), 11 casos foram descartados e sete casos estão ainda em investigação”, diz o texto.

A secretaria explicou ainda que os casos de internação de pacientes com a síndrome são monitorados e foram recolhidas amostras para a realização de exames pelo Laboratório Central do Estado do Paraná (LACEN). Além disso, todos os casos suspeitos da gripe H1N1 são imediatamente tratados com Tamiflu.

“Com esses dados é possível verificar que não há nenhuma epidemia no município, porém é necessário a compreensão de todos para adotarmos as medidas preventivas contra a Gripe.

Importante ressaltar que a prevenção é essencial para evitar a doença. Lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal, cobrir a boca e o nariz com o antebraço ou lenço descartável ao tossir ou espirrar e manter os ambientes arejados, como portas e janelas abertas”, recomendou a nota.