21°
Máx
17°
Min

Primeira fase do projeto Fronteiras Cooperativas é concluída no sudoeste

Rolim de Moura, do Sebrae/PR, falou sobre cooperação internacional para o desenvolvimento das fronteiras (Foto: Divulgação) - Primeira fase do projeto Fronteiras Cooperativas é concluída
Rolim de Moura, do Sebrae/PR, falou sobre cooperação internacional para o desenvolvimento das fronteiras (Foto: Divulgação)

O projeto Fronteiras Cooperativas, promovido pelo Sebrae/PR, com apoio do Sebrae Nacional, nos municípios de Barracão e Bom Jesus do Sul (sudoeste do Paraná), Dionísio Cerqueira (oeste de Santa Catarina) e Bernardo de Irigoyen (província de Misiones, Argentina) chegou ao fim de seu primeiro ciclo. A solenidade que marcou o encerramento aconteceu na Associação Comercial e Empresarial de Dionísio Cerqueira (SC), Barracão (PR) e Bom Jesus do Sul (PR) (Ascoagrin).

O encerramento teve palestra com Luiz Antonio Rolim de Moura, coordenador da Assessoria de Cooperação e Internacionalização do Sebrae/PR, com o tema ‘Cooperação internacional para o desenvolvimento, a nova geopolítica das fronteiras’.

O evento contou com a participação do intendente de Bernardo de Irigoyen, Guillermo Daniel Fernandez, dos prefeitos de Dionísio Cerqueira e Barracão, e de empresários, lideranças e voluntários do projeto Fronteiras Cooperativas.

Na palestra, Rolim de Moura abordou as mudanças geopolíticas que estão acontecendo no mundo e os reflexos na cooperação para o desenvolvimento, a principal pauta do grupo que integra o projeto. O palestrante mostrou como as comunidades que dependem ou interagem com a cooperação para o desenvolvimento têm que se posicionar frente a essas mudanças. “Temos exemplos recentes, como a saída da Inglaterra da União Europeia e a questão da Venezuela na América do Sul, que impactam principalmente no ambiente de fronteira”.

O assessor do Sebrae/PR também destacou que o projeto e o trabalho do grupo de voluntários são referências internacionais, reconhecidos pelos parlamentos Europeu e do Mercosul. “É um caso inédito e o êxito deve-se ao esforço dos participantes e pela qualidade técnica da equipe da regional Sudoeste do Sebrae/PR”.

Rolim de Moura ressaltou ainda que o primeiro ciclo do projeto, em termos de tempo (dois anos e meio) é muito curto para tantos resultados alcançados. “Há projetos de fronteiras com mais de cinco anos que não chegaram à metade do resultado e sucesso obtido aqui na Tríplice Fronteira”, comparou.

“Esta segunda fase que se inicia, em que o grupo vai utilizar os aprendizados, o planejamento e os caminhos que a primeira etapa construiu, terá com certeza um horizonte de sucesso, pois o grupo já provou que é capaz”, projetou Rolim de Moura.

Mudança de etapa

O gerente da regional Sudoeste do Sebrae/PR, Joailson Agostinho, demonstrou satisfação com os resultados obtidos (entre as ações, o inventário turístico da região e a elaboração de plano de turismo integrado) e adiantou que a segunda fase do projeto está em estudo. “É certo que o papel do Sebrae/PR no projeto será diferente na próxima etapa, mas tenho certeza de que os objetivos serão alcançados, pois a dinâmica do grupo continua. Se todas as regiões do Estado tivessem pessoas como as que integram o grupo de voluntários do Fronteiras Cooperativas, nossa realidade seria muito melhor”, analisou o gerente do Sebrae/PR.

O presidente do comitê gestor do projeto Fronteiras Cooperativas, Marcos Daniel Haeflieger, que o envolvimento dos voluntários não tem volta. “O grupo obteve tantas vitórias e conquistas para a comunidade, que decidimos que não podemos deixar o projeto terminar. Agora, contratamos um consultor que está nos auxiliando na reformulação do projeto, com a constituição de uma figura jurídica. Vamos institucionalizar o projeto Fronteiras Cooperativas”, adiantou Haeflieger.

Jorge Feldman, membro argentino do projeto, vice-presidente do comitê gestor e ex-prefeito de Bernardo de Irigoyen, exaltou o trabalho do Sebrae/PR durante todo o projeto e disse que cada participante têm o compromisso de continuar colaborando com as ações que foram empreendidas e tiveram bons resultados. “O Fronteiras Cooperativas tem levado muitas coisas importantes para o município de Bernardo de Irigoyen, como o Trânsito Vicinal Fronteiriço, que serve para que argentinos e brasileiros passem pela fronteira sem apresentar documentos. É uma vitória importantíssima”, comemorou Feldman.

Colaboração Assessoria de Imprensa.