22°
Máx
16°
Min

Professores da rede estadual de ensino e policiais civis entram em greve hoje

Professores iniciaram nos colégios na semana passada (Foto: Reprodução Facebook / APP Sindicato) - Professores da rede estadual e policiais civis entram em greve hoje
Professores iniciaram nos colégios na semana passada (Foto: Reprodução Facebook / APP Sindicato)

Professores da rede estadual de ensino e policiais civis entraram em greve nesta segunda-feira (17). A paralisação acontece em todo o estado. Em função disto, as delegacias funcionarão em esquema diferenciado e os estudantes ficarão sem aulas a partir de hoje nos colégios que ainda tinham atividades normalmente e que estavam ocupadas pelos alunos que protestam contra a Medida Provisória que promove alterações no Ensino Médio.

A APP-Sindicato, entidade que representa os professores, informou que nesta terça-feira (18) deve acontecer um debate público sobre o Ensino Médio no Centro Cívico, em Curitiba, e também em várias cidades do interior do estado. O evento faz parte da programação da greve. Para quarta-feira (19) está prevista a reunião do Fórum das Entidades Sindicais (FES) com o governo do estado. Também deve acontecer neste dia uma reunião do comando estadual de greve para avaliar a convocação de uma assembleia.

O Sindicato das Classes Policiais do Estado do Paraná (Sinclapol) comunicou que os policiais vão comparecer normalmente em suas unidades e permanecerão em seus períodos de expediente. No entanto, somente algumas atividades serão realizadas nas delegacias durante a greve. Entre elas estão atendimento de crimes contra a vida (homicídio, latrocínio e desaparecimento, flagrantes, audiência de custódia e cumprimento de mandados de prisão de outras forças policiais.

Os policiais não vão realizar na paralisação a confecção de boletins de ocorrência, confecção de carteira de identidade, emissão de atestado de antecedentes, perícia em local de crime, termo circunstanciado, oitiva de testemunhas e cumprimento de ordem de serviço de investigação. Estão suspensas as visitas a presos e escoltas de qualquer natureza, com exceção de audiência de custódia.

Policiais civis e professores reivindicam medidas relacionadas à carreira e à data-base das categorias.