22°
Máx
16°
Min

Projetos relacionados à Avenida das Torres ficam só no papel

(Foto: Cesar Brustolin/SMCS) - Projetos relacionados à Avenida das Torres ficam só no papel
(Foto: Cesar Brustolin/SMCS)

A Avenida das Torres passou por uma série de obras antes da Copa do Mundo de 2014. Foram realizadas intervenções no asfalto, drenagem e calçadas no chamado corredor Aeroporto-Rodoviária, em uma extensão de 15 quilômetros, além da construção de um viaduto (o estaiado), duas trincheiras (Guabirotuba e Rua Chile) e mudanças nos acessos de ônibus para a Rodoferroviária de Curitiba. No entanto, o compromisso dentro do Plano de Governo 2013-2016 desta gestão previa mais do que isto.

O documento traz a seguinte frase: “Requalificar e humanizar a Avenida das Torres e seu entorno no tocante ao transporte, trânsito, uso do solo e meio-ambiente, enterrando a rede elétrica existente, criando um parque linear e avaliando a possibilidade de uma linha de Monotrilho (Rodoferroviária/Aeroporto/Rodoferroviária) que possa servir tanto aos moradores de seu entorno e da cidade de São José dos Pinhais quanto aos usuários do Aeroporto Afonso Pena”.

Símbolos da via, as torres não saíram do lugar e não houve qualquer intervenção quanto à criação de um parque linear em sua extensão até o momento. A Prefeitura de Curitiba, por meio de assessoria de imprensa, informou que “quanto à rede elétrica, a responsabilidade é exclusiva da COPEL, que sinalizou com um projeto de retirada das torres de transmissão e implantação de cabos subterrâneos”. Da forma como está colocado no Plano de Governo, a administração municipal seria a responsável por esta intervenção.

Especificamente sobre a implantação de um parque linear na região, a prefeitura afirmou que a “sua efetivação estava ligada à confirmação da construção da linha de metrô sob a área central da avenida. O parque, então, ocuparia a superfície. Hoje o projeto de mobilidade para a região é o da eletromobilidade”. O compromisso no Plano de Governo também não cita a condição do parque estar relacionada a este tipo de obra.

Sobre o projeto de uma linha de monotrilho, a administração municipal explicou que sua implantação foi avaliada e transformada no projeto eletromobilidade. Está em curso, com edital publicado, uma Proposta de Manifestação de Interesse para indicação da viabilidade técnica do projeto e caminhos para o edital definitivo. Isto abrangeria linhas de eletromobilidade na cidade, incluindo a ligação entre Rodoviária de Curitiba e Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais.

Ainda de acordo com a prefeitura, as soluções mais comuns nesta área têm sido os Veículos Leves Sobre Trilhos (VLT) ou Pneus (VLP). A administração municipal não informou os prazos para conclusão destes trabalhos para verificar a viabilidade do sistema.