24°
Máx
17°
Min

Pronto Atendimento da Unimed em Londrina espera atender 13 mil pacientes por mês

(foto: Divulgação) - Pronto Atendimento da Unimed em Londrina espera atender 13 mil pacientes por mês
(foto: Divulgação)

A Unimed Londrina começa a atender na próxima segunda-feira (20) pacientes em seu novo Pronto Atendimento, inaugurado esta semana na rua Souza Naves esquina com Borba Gato.

Cerca de 100 profissionais da saúde, além de 50 médicos, foram contratados para trabalhar no local, que funcionará 24 horas por dia com capacidade de atender 13 mil pessoas por mês.

A estrutura conta com dez consultórios direcionados para clínica geral e pediatria, além de 24 leitos para internação e observação de pacientes. O serviço ainda possui aparelhos de radiografia e ultrassonografia para realização de exames rápidos. Exames laboratoriais também poderão ser feitos no local.

Ao chegar ao local o paciente será classificado de acordo com as diretrizes do Protocolo de Manchester, um sistema inglês que prioriza o atendimento das pessoas em situação mais grave. O atendimento no PA é direcionado para pessoas que precisam de assistência médica mas não se encontram em situação de emergência.

Situações como febre alta, vômito, diarreia, cálculos renais e dores em geral podem ser atendidas no PA. Pacientes enfartados, com fraturas expostas ou situações que envolvam risco de morte devem ir diretamente aos prontos-socorros dos hospitais credenciados, a estrutura do PA não conta com centro cirúrgico ou UTI para prestar o serviço adequado nestes casos.

A expectativa da direção da Unimed Londrina é que o Pronto Atendimento consiga suprir parte da demanda da cidade e desafogar os prontos-socorros que muitas vezes ficam sobrecarregados com pacientes que não precisam de estrutura de hospital terciário e poderiam ser atendidos em um pronto atendimento.

"Estamos inseridos dentro de um sistema. Vamos trabalhar conectados com outros prestadores", afirma o diretor de Promoção em Saúde da Unimed Londrina, Omar Taha. O objetivo do PA é possibilitar o rápido atendimento de pacientes em situações menos graves e ao mesmo tempo desafogar os prontos-socorros dos hospitais, possibilitando que eles atendam as pessoas em situação de emergência com mais agilidade.

(com informações da assessoria de imprensa)