22°
Máx
17°
Min

Realizada a audiência do caso ‘Pecúlio’

Foto: Arquivo MN - Realizada a audiência do caso ‘Pecúlio’
Foto: Arquivo MN

No início da tarde a movimentação foi grande na delegacia da Polícia Federal, nossa equipe registrou chegada de advogados e de agentes federais com documentos.

A imprensa não teve autorização para fazer imagens da audiência, foi liberada apenas a entrada sem equipamentos e até mesmo celulares foram proibidos. Foi ouvido um investigador da Polícia Federal analista da operação, ele foi questionado pelos procuradores e também pelos advogados de defesa.

Quase duas horas depois do início da audiência os defensores falaram com os jornalistas. As testemunhas de acusação devem ser ouvidas até o dia 22 de agosto em seguida serão ouvidas as testemunhas de defesa aproximadamente 272 pessoas.

Entre os presentes também estavam cinco dos réus: os ex-secretários de saúde Gilber da Trindade Ribeiro e Charles Bortolo, o ex-secretário de obras Evori Patzlaff, o servidor da secretaria de fazenda Valter Martin Schroeder e o filho dele Valter Martins Schroeder Junior, servidor na pasta de planejamento.

Os procuradores da república não quiseram gravar entrevista, mas afirmam que a previsão é de que até o final do ano todas as 85 sentenças sejam concluídas, inclusive a do prefeito afastado Reni Pereira, que permanece em prisão domiciliar.

O Ministério Público pediu para que a prisão preventiva seja cumprida numa penitenciária e ainda aguarda uma decisão do desembargador do Tribunal Federal da 4ª região em Porto Alegre.

De acordo com o MPF, Reni Pereira tem até o dia 22 para apresentar a defesa, os próprios procuradores afirmam que prefeito trocou toda a assessoria jurídica por um escritório de advogados de Curitiba.

O MPF também afirma que entrou com um pedido de prisão preventiva contra o ex-advogado do prefeito, Egídio Fernando Arguello Junior, o pedido está em aberto no site da Justiça Federal.

O motivo de acordo com os procuradores é que o advogado teria usado documentos falsos, além de obstruir a justiça por coação no curso da ação penal.

A equipe de reportagem tenta contato com a defesa das pessoas citadas.

Atualização

O advogado Egídio Fernando Arguelo Junior informou que não é mais advogado de Reni Pereira. Ele disse ainda que não vai se pronunciar sobre o pedido do Ministério Público Federal de prisão preventiva contra Pereira. 

Colaboração: Vinícius Machado / Rede Massa