27°
Máx
13°
Min

Receita Federal explica como funcionava o esquema de desvio de verbas

- Receita Federal explica como funcionava o esquema de desvio de verbas

A Receita Federal de Foz do Iguaçu emitiu uma nota explicando como funcionava o esquema de desvio de verbas, relacionado a Operação Pecúlio. Os trabalhos foram desencadeados na manhã de hoje em Foz do Iguaçu e cidades da região.

Os detalhes são os mesmos já divulgados pela Polícia Federal, no entanto um infográfico mostra como a ação funcionava.

Confira na íntegra:

  • Foi deflagrada em Foz do Iguaçu nesta terça-feira, dia 19 de abril de 2016, com participação da Receita Federal, da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União, a “OPERAÇÃO PECÚLIO”, tendo por objetivo desarticular um grupo de pessoas suspeitas de praticar irregularidades em processos licitatórios de prestação de serviços e obras na Administração Pública do Município de Foz do Iguaçu, com a finalidade de obtenção de vantagens indevidas e desvio de dinheiro público.
  • Há suspeitas do envolvimento do grupo de pessoas nas práticas dos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e crimes contra a administração pública, dentre outros crimes.
  • A partir da análise dos elementos colhidos no curso das investigações, foi possível constatar a existência de fortes indícios de ingerências de gestores do município, de forma direta e indireta, em empresas contratadas para prestação de serviços e realização de obras junto à Administração Municipal, para as quais estão direcionadas quantias milionárias de recursos públicos federais (PAC dentre outros), bem como em empresas contratadas para prestar serviços ao Sistema Único de Saúde – SUS.
  • Também foi identificada participação de pessoas ligadas à administração pública municipal em empresas, por meio de interpostas pessoas (laranjas), as quais mantêm importantes contratos com o município.
  • A análise dos dados obtidos a partir do afastamento dos sigilos bancário e fiscal de diversas pessoas envolvidas indicou a incompatibilidade dos recursos movimentados com as respectivas rendas declaradas.
  • Estão sendo cumpridos desde as primeiras horas da manhã 4 (quatro) mandados de prisão preventiva, 10 (dez) mandados de prisão temporária, 19 (dezenove) conduções coercitivas e 51 (cinquenta e um) mandados de busca e apreensão em residências dos investigados e em empresas supostamente ligadas à organização criminosa.
  • Participam da operação 200 servidores da Polícia Federal, 23 da Receita Federal e 14 da CGU.
  • Será realizada entrevista coletiva às 10h do dia 19/04/2016, no auditório da Delegacia de Polícia Federal em Foz do Iguaçu/PR.

Confira a imagem que mostra como funcionava o esquema:


Documentos apreendidos

A Polícia Federal apreendeu diversos documentos e computadores em prédios públicos que deverão ser alvos da investigação. Todo o material apreendido será analisado para apurar a responsabilidade de cada envolvido.

Ainda não foram confirmados os nomes dos detidos nem das pessoas conduzidas para esclarecimentos até a delegacia. A ação desencadeada em Foz do Iguaçu, também teve como alvos, cidades da região.

Colaboração: Assessoria Receita Federal