22°
Máx
16°
Min

Secretaria de Cultura quer aproximação com municípios

Secretaria de Cultura quer aproximação com municípios

“O Paraná tem que conhecer o Paraná”. Essa é a intenção do secretário de Cultura do Estado, João Luiz Fiani ao visitar as microrregionais de Cultura. Nesta quinta-feira (23), foi a vez da 2ª Regional, a AMCG Cultura, receber o secretário. O objetivo é conhecer mais sobre os municípios da região e os projetos que estão sendo desenvolvidos na área. Natural de Palmeira, Fiani já conhece os Campos Gerais, mas pretende estreitar a relação da Secretaria com as ações dos municípios.

“O Paraná tem que conhecer o Paraná”

Durante o encontro, o secretário ouviu um pouco do que está sendo desenvolvido nos municípios de Ponta Grossa, Telêmaco Borba, Ortigueira, Ivaí, Palmeira, Carambeí e Castro, que contavam com representantes. Conforme Fiani, ele vem “obedecendo” a uma prioridade do Governo do Estado que é de todo o secretariado de Governo: “temos que olhar para o interior”, disse. O secretário acredita que é preciso desenvolver uma estratégia para a Cultura no Estado, que trabalha muito projetos isolados. “Tanto é que quando pergunto qual é a característica forte da cultura no Estado ninguém sabe responder”, destaca, respondendo que para ele seria o Fandango do litoral paranaense. “Mas mesmo assim é muito pequena a parcela da população que conhece a dança”, fala, explicando o porquê do Paraná ter que conhecer o Paraná. “A nossa obrigação é conhecer o que temos. Para não corrermos o risco de esta cultura popular acabar”, explica.

Segundo Fiani, para que os municípios tenham uma característica cultural forte, é necessário primeiramente a valorização dos artistas locais. Já que são eles que “dão a cara” da cultura nos municípios. Além disso, com os artistas valorizados poderão se empoderar e ajudar a cobrar por mais recursos para a área, que hoje “são ridículos”. “Nos últimos seis anos o Paraná recebeu do Governo Federal R$ 300 mil para a Cultura, que foi da Economia Criativa”, enumerou.

“A nossa obrigação é conhecer o que temos. Para não corrermos o risco de esta cultura popular acabar”

O secretário contou ainda que o atual Ministro da Cultura, Marcelo Calero, “recebeu” uma dívida de R$ 2 bilhões. “Para dar um fôlego para a Pasta, o presidente Michel Temer liberou R$ 400 milhões”, relata o chefe da Cultura no Paraná, repassando as informações que recebeu em uma reunião na última terça-feira em Brasília, com o ministro e com mais oito secretários.

Projetos

Durante a reunião da AMCG Cultura, os dirigentes da região puderam conhecer os projetos desenvolvidos pelo Estado. O secretário citou o Profice, que contemplou 174 projetos, sendo 40 em cidades de até 20 mil habitantes, 36 para as cidades que tem 20 e 100 mil, e 98 de cidades com mais de 100 mil habitantes. Fiani pontuou também o “Circula Paraná”, que é um projeto que está em sintonia com sua proposta de aproximação dos artistas culturais do município. “A ideia é que a produção cultural circule”, explica. Além disso, o ‘Circula’ auxilia na captação de recursos via Incentivo Fiscal.

Economia Criativa

Gestores Culturais acompanhados do Secretário de Estado, João Luiz Fiani participaram no período da tarde do 5º Encontro de Economia Criativa que ocorreu na Universidade Federal Tecnológica do Paraná em Ponta Grossa. Para Fiani, que fez a abertura do evento, o projeto “Economia Criativa” é um dos mais importantes do mundo, que pode mudar a vida das pessoas. “Juntamos a criatividade com o que a gente gosta de fazer. O resultado é sucesso na certa”, avalia, destacando o trabalho das incubadoras, como a do Paraná Criativo. Representando os 19 municípios da AMCG, o prefeito de Ipiranga, Roger Selski também participou da abertura do evento. Ele destacou a importância da difusão cultural e de debates que ajudem no seu desenvolvimento.

Colaboração Assessoria de Imprensa.