24°
Máx
17°
Min

Sercomtel volta a registrar furto de cabos; prejuízo passa dos R$ 12 mil

(foto: Portal Cambé) - Sercomtel volta a registrar furto de cabos; prejuízo passa dos R$ 12 mil
(foto: Portal Cambé)

A Sercomtel Telecomunicações registrou cinco furtos significativos de cabos elétricos no período do último trimestre. As estações (ELR) do Aeroporto, Vila Casoni, Interlagos e Waldemar Hauer foram alvo dos atos criminosos. Aproximadamente 140 metros de cabos elétricos foram furtados gerando um prejuízo de R$12.200 mil com os custos envolvidos no restabelecimento da estrutura. 

Nesta quinta-feira (19), a estação Aeroporto foi furtada durante a madrugada. Os criminosos furtaram 20 metros de cabos elétricos na Avenida Luiz Guilherme Rosseto, 349 - Jd. Caravelle – e geraram um prejuízo de R$1.500 mil.

Ainda em maio, no dia 8, 2.465 clientes da Sercomtel ficaram duas horas sem os serviços contratados devido ao furto de 10 metros de cabos elétricos na estação Interlagos. Neste caso, além do custo de R$700 com a manutenção, R$2.720,60 serão ressarcidos aos assinantes afetados pela paralisação.

Em abril, a estação Waldemar Hauer foi furtada duas vezes em apenas 48 horas. Pouco mais de 60 metros de cabos foram levados pelos ladrões, gerando um custo de 6 mil para a operadora. Em março, a estação Casoni foi furtada uma vez e houve ainda duas outras tentativas de roubo no mesmo local. Nesta estação os bandidos furtaram de uma só vez 50 metros de cabos, o que representou um ônus de R$4 mil.

A cada furto ocorrido a Sercomtel desloca em um caminhão uma equipe com três técnicos para prestar a mão de obra necessária na manutenção, há o dispêndio de materiais, como cabos e emendas, o custo com o gerador móvel do veículo para que os clientes não sejam prejudicados por uma longa paralisação dos serviços, além da necessidade de solicitar a ida de técnicos da Copel para ligar a rede elétrica no local.

O diretor de Engenharia e Operações da Sercomtel, Flávio Borsato, observa que os furtos prejudicam, de modo geral, toda a operação da empresa. “Não é só a estação furtada e os clientes daquela região que são impactados. Se precisamos enviar veículos com uma equipe de técnicos para fazer tais manutenções e envolver a Copel, logo outras localidades, que também precisam de nossos serviços e dos serviços da companhia de energia, deixam de ser atendidas por conta de atos criminosos”, dimensiona.

(com assessoria de imprensa)