28°
Máx
17°
Min

Servidores da UFPR devem fazer nova paralisação ainda em março

(Foto: Sinditest-PR) - Servidores da UFPR devem fazer nova paralisação ainda em março
(Foto: Sinditest-PR)

Os servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) programam mais uma paralisação de 24 horas ainda neste mês. A decisão foi definida em assembleia nesta quinta-feira (10), durante outra paralisação da categoria. A nova manifestação deve acontecer no mesmo dia da próxima reunião do Conselho Universitário da UFPR, que analisa temas que são reivindicações dos trabalhadores, como a flexibilização da jornada de trabalho de 30 horas com turnos contínuos em toda a universidade e uma discussão mais ampla quanto à implantação do ponto eletrônico.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior no estado do Paraná (Sinditest-PR), os servidores vão continuar registrando as seis horas diárias da jornada de trabalho na folha ponto, e não no ponto eletrônico. A orientação não vale apenas para os trabalhadores do Hospital de Clínicas, que não possuem outra forma de controle de presença.

O Sinditest-PR afirmou que o Conselho Universitário vai avaliar propostas de melhorias à resolução 56/11, que regulamenta a jornada de 30 horas semanais na universidade. Ainda de acordo com o sindicato, os servidores reivindicaram a suspensão do ponto eletrônico até que o assunto seja completamente analisado.

Segundo a UFPR, o Conselho Universitário homologou por unanimidade as determinações da comissão de flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos, que estabelece jornada de 30 horas semanais para diversas unidades. Essa comissão foi nomeada especificamente para instruir quanto ao funcionamento e analisar os pedidos.

O reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho, a resolução 56/11 está sendo cumprida, com a operação plena da comissão. De acordo com ele, todas as unidades que solicitaram a autorização para a flexibilização da jornada estão em processo de avaliação pela comissão, e todas as outras que têm interesse podem fazer a solicitação.

Quanto ao controle de frequência, a reitoria da UFPR informou que a implantação do ponto eletrônico não é medida discriminatória ou assediadora. Segundo a própria universidade, representantes dos servidores no Conselho Universitário e membros do Sinditest-PR estão preocupados e alegam que o sistema pode comprometer a implantação das 30 horas de jornada e prejudicar os técnicos.

O ponto eletrônico passou a ser obrigatório em toda a UFPR desse o dia 1º de março. A universidade informa que o sistema de controle de presença será avaliado coletivamente até 30 de junho. O Sinditest-PR alega que não houve ampla discussão sobre o assunto com a categoria.

Colaboração Sinditest-PR e UFPR