22°
Máx
16°
Min

Sete são presos em operação contra quadrilha de roubo de cargas

Sete são presos em operação contra quadrilha de roubo de cargas

A “Operação Squamata”, deflagrada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (COPE) da Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (3), prendeu sete pessoas integrantes de uma quadrilha suspeita de pelo menos cinco roubos de cargas.

Entre elas está policial civil e, além dos presos hoje, dois envolvidos no esquema já estavam detidos e um está foragido. Outras três pessoas foram conduzidas coercitivamente.

A polícia também apreendeu um helicóptero (estimado em R$ 1 milhão) e carros de luxo, avaliados em mais de R$ 3 milhões: dois do modelo Audi, um Porsche, um Renegade, uma Lamborghini, modelo Gallardo (batida), uma Amarok, uma Ford Ranger, um Ford Focus, um modelo Gol e um jet-ski. Foram encontrados ainda R$ 3 mil em dinheiro, armas, celulares, computadores, documentos e um equipamento capaz de cortar sinal de celular e de GPS.

Jucelino Ribeiro de Souza, conhecido como “Toco”, foi apontado pela Polícia Civil como o líder da quadrilha. Seu patrimônio é avaliado em R$ 6 milhões e ele havia sido preso em 2013 por envolvimento no roubo de carga de polipropileno na cidade de Araquari, em Santa Catarina. Ele tem ainda tem passagem por roubo, receptação e desmanche de caminhões.

A operação contou com mais de 50 homens e foi realizada em Curitiba, na Região Metropolitana e em Morretes, no Litoral do Estado. Os presos vão responder pelos crimes de roubos de cargas, receptação, adulteração de sinais identificadores de veículos, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, dentre outros.

A prisão das sete pessoas é temporária, de cinco dias, e pode ser revertida em preventiva. O policial civil preso vai passar por procedimento administrativo contra o agente público que pode resultar até na expulsão dele da Polícia Civil. Além disso, a Corregedoria vai abrir um inquérito para apurar o envolvimento do policial civil com a organização criminosa.

Ação

A quadrilha agia principalmente em São José dos Pinhais, nas BRs 116, 277 e 376, por onde trafegam caminhões e cargas entre o Norte e o Sul do país e também ao interior do Paraná. Os investigados também atuavam em postos de combustíveis que servem de parada de descanso para os motoristas dos caminhões.

A investigação levou quase seis meses e começou depois do roubo de uma carreta com carga de pneus, ocorrido na noite do dia 17 de janeiro deste ano, em São José dos Pinhais. A quadrilha tentou transportar esta mercadoria para Paranaguá, mas foi abordada pelos policiais. A polícia então descobriu que a carroceria na qual era levava a carga de pneus foi colocada em outro caminhão que, segundo a investigação, pertence a um familiar do policial civil – preso durante a operação.

Colaboração Polícia Civil