26°
Máx
19°
Min

Suspeitos de explodir caixas eletrônicos são alvo da Operação Cangaço

(foto: WhatsApp) - Suspeitos de explodir  caixas eletrônicos são alvo da Operação Cangaço
(foto: WhatsApp)

A Polícia Civil do Paraná deflagrou nesta manhã (24) a 2º fase da Operação Cangaço. Mais de 100 policiais estão nas ruas para cumprir 30 mandados judiciais – sendo sete de prisão e 23 de busca e apreensão em sete cidades do estado.

O foco da operação policial é uma quadrilha suspeita de explosão de caixas eletrônicos. Os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, associação para o tráfico, tentativa de homicídio, roubo, receptação, posse ilegal de arma e tráfico de drogas.

Um dos mandados de busca foi cumprido na rua Paes Leme, centro de Londrina, mas o suspeito não foi encontrado.

Os presos serão levados para a delegacia de Londrina. 

A operação reúne policiais civis das subdivisões de Londrina e Apucarana, com colaboração do Centro de Operações Especiais (Cope) e da PM.

Primeira fase

A primeira fase da operação foi deflagrada no dia 21 de janeiro de 2016, quando 21 pessoas foram presas suspeitas de praticar 22 roubos a bancos e caixas eletrônicos. Foram apreendidas 15 armas, sendo uma submetralhadora, além de pistolas calibre 12 e 40 e também de outros calibres, além de carros, munições, farda camuflada, balança de precisão, uma grande quantidade de cigarro,celulares, pendrive, máscaras e computadores.

Em um dos roubos, a quadrilha utilizou uma máquina retroescavadeira para destruir a agência bancária. Entre os detidos estava um funcionário público da Prefeitura de Ortigueira, suspeito de operar a máquina.

A ação foi batizada como "Cangaço" numa alusão ao período de banditismo brasileiro ocorrido no Nordeste do Brasil -- na época liderado por Lampião. Mas, ao invés de andar pelas cidades em busca de justiça e vingança, as organizações criminosas hoje chegam às cidades e cometem crimes como roubo a banco.

(com informações da Polícia Civil)