20°
Máx
14°
Min

Trabalhos para instalação de incubadora tecnológica em Irati são retomados

O projeto para implantação de uma incubadora tecnológica em Irati é antigo. Suas discussões iniciais datam de 2012. A proposta foi retomada recentemente e uma reunião com os potenciais parceiros foi realizada, no final de agosto, para que para ocorra a efetivação da incubadora. Além de Irati, há também um projeto, em paralelo, para uma incubadora tecnológica em São Mateus do Sul, numa proposta de incubação a distância.

A professora do Departamento de Administração e chefe da Divisão de Propriedade Intelectual, Dayana de Carla Macedo, explica que a incubadora tecnológica tem como função abrigar e assessorar empresas que possuem base tecnológica, ou seja, vem do conceito de tecnologia que é o estudo da técnica. “Empresas, empresários, empreendedores que têm ideias inovadoras, possíveis negócios e intenção destes, buscam na incubadora tecnológica os conhecimentos e consultoria necessária na sua fase de elaboração, para concretização e depois saída para o mercado. Então, a incubadora tecnológica tem essa função de, realmente, incubar a empresa e dar toda assistência, aquele pontapé inicial para fazer com que o empresário tenha estrutura para depois sair para o mercado”, explica.

A professora conta que o projeto para São Mateus do Sul, atualmente, está sob a gestão da Incubadora Tecnológica de Guarapuava (Integ). Mas assim que for formalizada a instalação da incubadora em Irati, a gestão desses projetos que serão incubados em São Mateus do Sul serão administrados dentro do campus Irati.

São parceiros do projeto a Prefeitura de Irati, através da Casa do Empreendedor; a Associação Comercial de Irati (Aciai); a Associação dos Municípios do Centro-Sul do Paraná (Amcespar); o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); e o Instituto Federal do Paraná (IFPR).

Dayana também destaca que durante a reunião, foi formalizada a criação do Fundo de Inovação. “Nós formalizamos, junto a Prefeitura de Irati, o Fundo de Inovação, e ele já tem direcionado uma parcela do orçamento do ano que vem. Este Fundo também tem participação do Sebrae que se disponibilizou em dar uma parte. Então, o intuito dos parceiros é fazer com que todos se unam e possibilitem que os empreendimentos se concretizem na cidade, e que os atuais tenham uma boa gestão. Os empresários que têm dúvidas e querem buscar consultoria terão toda essa estrutura que está sendo planejada para fazer com que a cidade tenha um impulso no sentido negocial”, ressalta.

Os próximos passos para a implantação da incubadora são a aprovação de uma portaria de criação por parte da Reitoria da Unicentro, em seguida ocorre a inscrição junto ao Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), e, por fim, os parceiros se reúnem para a discussão e aprovação do estatuto e regimento da incubadora tecnológica.

(com assessoria de imprensa da Unicentro)