21°
Máx
17°
Min

UEL institui equipe para continuar investigando tremores em Londrina

(foto: N.Com/Divulgação) - UEL institui equipe para continuar investigando tremores em Londrina
(foto: N.Com/Divulgação)

A reitora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Berenice Jordão, publicou uma portaria instituindo um grupo de trabalho para continuar investigando a origem de tremores de terra registrados desde dezembro do ano passado em Londrina. Além do professor do departamento de Geografia José Paulo Pinese, que acompanha o caso desde o início, integram a equipe os engenheiros do Centro de Tecnologia e Urbanismo (CTU) Fernando Fernandes (hidráulica), Gilberto Carbonari (estruturas) e Carlos José Costa Branco (fundações e mecânica de solos).

O objetivo do grupo é oficializar e respaldar as investigações, atendendo um pedido da prefeitura de Londrina e da Defesa Civil estadual.

“Não se trata de um grupo de discussão de opiniões, mas de um grupo empenhado em compilar e interpretar informações científicas existentes e obter novas, com o objetivo de, a partir de dados científicos e bem embasados, fornecer elementos para que a administração pública e defesa civil exerçam seu papel”, afirma Pinese.


 Até o momento, as investigações apontam para tremores de terra provocados por causas naturais, com magnitude máxima de 1,9 grau na escala Richter.

 Os epicentros são os jardim Califórnia e São Fernando, mas também foram registrados eventos no Centro Cívico, jardim Petrópolis e na região do Centro de Eventos.


 “As profundidades de origem desses sismos são pequenas, e predominam entre 10 e 100 metros aproximadamente, sempre em rochas. Não há evidência alguma que possa relacioná-los com obras civis desenvolvidas na camada de solos”, aponta o professor, ressaltando que as fortes chuvas que caíram na cidade durante o mês de janeiro têm papel determinante no registro de rachaduras em edificações.