24°
Máx
17°
Min

Um condutor do Uber foi ferido a tiros; outro foi assaltado e ainda há relatos de emboscadas

(Foto: Ilustração) - Violência contra condutores do Uber cresce em Curitiba
(Foto: Ilustração)

Um condutor do Uber foi assaltado na noite de quinta-feira (13) em Curitiba. Foi ferido por tiros, teve o veículo levado pelos assaltantes e está em estado grave na UTI do Hospital Cajuru lutando para sobreviver. A vítima, Hudson Lopes Santos, tem apenas 22 anos. O crime foi registrado no Bairro Bacacheri. As informações da Guarda Municipal são de que “ele teria resistido a uma tentativa de assalto e acabou atingido por um tiro no rosto”.

Mas, esta não foi a única violência contra um condutor do Uber na noite de ontem. Claro, que guardando as devidas proporções, o caso envolvendo Hudson teve maior gravidade, já que ele corre risco de morte. Outro condutor – que não será identificado – contou a reportagem do Massa News que o carro com o qual trabalha foi roubado. “Nós trabalhamos em dois condutores. Eu estava de folga e meu amigo trabalhando. Quando não estamos atendendo os clientes ficamos parados e, ele estava estacionado na rua Capitão Souza Franco”, diz. “Ele recebeu um chamado para corrida estava saindo e, foi nesse momento que foi abordado, rendido e teve o carro roubado”, acrescentou.

Conforme o condutor, o amigo ‘teve muita sorte’, pois não foi agredido e nem acabou ferido a tiros como Hudson. “Foi sorte, mas é uma violência que assusta. Nós registramos o boletim de ocorrência e agora esperamos que a polícia localize o carro”.

Violência

As situações envolvendo condutores do Uber não param por aí, e a cada pouco, algum deles precisa recorrer à polícia para registrar ocorrências. De acordo com alguns condutores eles têm sido vítimas de ‘tentativas de emboscadas’. Condutores relataram que foram atraídos para uma determinada rua no bairro Xaxim e tiveram os veículos danificados. O local é uma rua sem saída e, em todos os casos, quando eles perceberam que se tratava de uma emboscada, tentaram fugir, mas ainda assim tiveram os carros apedrejados, vidros quebrados. Os casos foram devidamente registrados na polícia, que investiga a situação.