28°
Máx
17°
Min

Unespar é contra MP que muda Ensino Médio, considerada antidemocrática

Nota é assinada pelo pró-reitor Mário Cândido de Athayde Júnior (Foto: Unespar) - Unespar é contra MP que muda Ensino Médio, considerada antidemocrática
Nota é assinada pelo pró-reitor Mário Cândido de Athayde Júnior (Foto: Unespar)

A Universidade Estadual do Paraná (Unespar), que tem unidades no norte e noroeste em Apucarana, Paranavaí e Campo Mourão, posicionou-se  oficialmente contra a medida provisória anunciada pelo presidente Michel Temer, que modifica o currículo do Ensino Médio no país.

Em uma nota divulgada à imprensa, o pró-reitor Mário Cândido de Athayde Júnior destaca que a atitude é antidemocrática, já que não houve prévia discussão com educadores, estudantes e a sociedade em geral.

Segundo o pró-reitor, “a reforma desconsidera dimensões essenciais para a formação integral dos jovens estudantes brasileiros”. Ele convoca a comunidade da Unespar para um debate “pela necessária ampliação do acesso dos jovens ao Ensino Médio público e de qualidade”.

Preocupada com a mudança, a Unespar comunicou sua contrariedade, assim como outras entidades e educadores, como o Sindicato dos Trabalhadores na Educação do Paraná (APP), que também critica o modo como a decisão foi tomada, por meio de medida provisória, e questiona a qualidade do ensino previsto.

Pelo novo modelo, dos três anos do Ensino Médio, em um ano e meio, o aluno teria Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Ensino Técnico. A partir daí, escolheria uma área de aprofundamento.

Confira a nota integral da Unespar

"Frente às mudanças impostas por Medida Provisória do Governo Federal ao Currículo do Ensino Médio, a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROGRAD) sente-se no compromisso de registrar publicamente sua preocupação com o caráter antidemocrático de tal estratégia, levada a efeito sem a prévia discussão com educadores, estudantes e a sociedade em geral.

Embutida na falsa premissa da “flexibilização”, ao eliminar a obrigatoriedade de componentes curriculares das áreas das Artes, Educação Física, Sociologia e Filosofia, a reforma desconsidera dimensões essenciais para a formação integral dos jovens estudantes brasileiros, negando-lhes o direito a uma formação básica comum, bem como às formas de produção da ciência e suas implicações éticas, políticas e estéticas.

Responsável pela coordenação e articulação institucional da Graduação –estreitamente vinculada ao Ensino Médio – a Pró-reitoria conclama a comunidade acadêmica desta Universidade Pública a contribuir de maneira qualificada no debate e na luta pela necessária ampliação do acesso dos jovens ao Ensino Médio Público e de Qualidade, a partir da premissa de que um ENSINO DE QUALIDADE pressupõe ações não só na organização do currículo (sempre ampla e democraticamente discutidas), como também nas dimensões da formação de professores, das condições do trabalho docente, da estrutura física e material das unidades escolares e na implantação de políticas de assistência estudantil, dentre outras.

Paranavaí, 22 de setembro de 2016.

Mário Cândido de Athayde Júnior

Pró-reitor de Ensino de Graduação"