24°
Máx
17°
Min

Vendedor ambulante abusa do estilo para conquistar clientela

Cansado de ser somente mais um vendedor ambulante, Josué Lopes Rodrigues, de 53 anos, resolveu inovar. Colocou calça e camisa social, uma gravata, arrumou uma bandeja e foi à luta para aumentar a renda da família. Onde ele trabalha, vestido dessa forma? No principal cruzamento de Ponta Grossa, entre a Avenida Vicente Machado e a rua Balduíno Taques.

Josué já trabalhava bastante vendendo espetinhos em frente à sua casa, no Parque Nossa Senhora das Graças. Mas nos últimos meses, o número de vendas caiu quase 50% e ele precisou pensar em uma nova forma de conseguir dinheiro. “Tudo o que nós trabalhamos dá dinheiro, e como as coisas subiram muito de preço, tenho que trabalhar mais para conseguir subir minha renda”, explica.

“Água ninguém deixa de tomar, então para mim é um grande negócio. E além disso, água não tem vencimento, então se chover hoje eu posso trazer o mesmo produto no outro dia”, completa. Mas será que a estratégia está funcionando? “Com o dinheiro que consigo aqui, já consigo pagar as contas de casa”, garante o ‘garçom’.

Ficou interessado em comprar uma água do ambulante mais elegante de Ponta Grossa? Ele está de quarta a sábado no cruzamento da Avenida Vicente Machado com a rua Balduino Taques. “Segunda e terça eu não consigo vir trabalhar porque estudo no Senai, tudo pra conseguir melhorar e aumentar a renda da minha família”, completa Josué.

Colaboração Carla Yarin, da Rede Massa.